Enfrente a subida íngreme do Jaraguá

Trajeto de 1.800 metros exige bom preparo físico, mas a vista compensa

Lucas Frasão, O Estado de S.Paulo

28 Outubro 2008 | 02h35

Um morro ainda coberto de verde, mas rodeado por um mar de casas e prédios. No topo, duas gigantes torres de transmissão. Aparatos que fazem o visitante se lembrar de que está em São Paulo. Nada, porém, que reduza a importância (e a vista privilegiada) do Pico do Jaraguá, o ponto mais alto da capital, a 1.135 metros de altitude. O turista pode chegar até lá de carro. Mas a experiência vai ficar mais emocionante se o caminho escolhido for a Trilha do Pai Zé, que passa por um trecho preservado de mata atlântica no Parque Estadual do Jaraguá.A trilha começa com a subida íngreme de uma calçada de paralelepípedos de cerca de 200 metros. Apenas uma amostra do que virá na seqüência. É preciso ter bom preparo físico e muito fôlego para completar os 1.800 metros. Não à toa, o trajeto foi classificado como de nível alto e não deve ser seguido por quem tem menos de 10 anos. O maior obstáculo no caminho é mesmo a subida - a trilha tem boa sinalização e pode ser vencida em uma hora. Com exceção do trecho inicial, o percurso é feito em chão de terra batida. À medida que avança, o visitante nota que a mata fica mais fechada. Mas nunca a ponto de bloquear a passagem.A primeira atração da trilha surge depois de cinco minutos de caminhada. Trata-se de um antigo altar usado como local de culto antes de a reserva ser fundada, em 1961. O nome de Pai Zé lembra essa época.A natureza se apresenta em boa forma na subida. Aqui ou ali, é possível reconhecer um ipê-amarelo, um pé de palmito. Mas o barulho dos carros, que acompanha o turista na trilha, não deixa ninguém esquecer que está no meio da cidade. EstradaDuas das principais vias de acesso a São Paulo passam lá por perto: a Anhangüera e a Bandeirantes. Além do Rodoanel, que pode ser visto depois de 1.500 metros de caminhada. Nesse ponto da trilha, o trajeto fica mais estreito e sem cobertura vegetal. Mas já é possível observar o bairro do Jaraguá.A subida fica ainda mais íngreme. Um corrimão de madeira ajuda os visitantes a superar a inclinação desfavorável. Não desista. Em vez disso, tome fôlego para vencer os 300 metros finais, mais desafiadores. E tome cuidado para não escorregar no solo pedregoso.As torres de transmissão estão logo ali, mas o fim da trilha não é o fim do passeio. Para chegar ao topo é preciso andar mais cinco minutos na Estrada Turística do Jaraguá. O esforço vale a pena: lá de cima, a vista pode alcançar a Serra do Japi, em Jundiaí, e a Serra do Mar, no caminho para Santos. São Paulo fica pequena. Panorâmica que faz você se sentir cercado de cidade por todos os lados. Parque Estadual do Jaraguá: Abre diariamente, das 7 às 17 horas. Há visitas guiadas nos dias da semana. Informações: www.iflorestsp.br/jaragua,Em grupoCia Ecoturismo (0--11-5571- 2525; www.ciaeco.tur.br): três dias na travessia da Ilhabela. Custa R$ 455 e inclui transporte, hospedagem e pensão completaFilhos da Terra (0--11-3171- 2000; www.filhosdaterra.com): trilha de 7 quilômetros no Refúgio das Cachoeiras, em Catuçaba e São Luís do Paraitinga. Inclui transporte e almoço. Por R$ 177Pisa Trekking (0--11-5052- 4085; www.pisa.tur.br): travessia do Saco das Bananas, em Ubatuba. Com direito a transporte e lanche de trilha. Por R$ 177 Terra Mater (0--11-3464-5100; www.terramater.com.br): trilha de 3,5 quilômetros em Bertioga. Por R$ 30, sem transporte Trilhas & Trilhas (0--11-2231- 2933; www.trilhasetrilhas.tur.br): roteiro de 9 quilômetros na Serra da Cantareira, por R$ 55. Almoço pago à parte (R$ 27).

Mais conteúdo sobre:
JaraguáAventura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.