Flávio Machado/Divulgação
Flávio Machado/Divulgação

Entre icebergs e pinguins

A experiência. A primeira vez que fui à Antártida foi em janeiro de 1997 - desde então, voltei outras dez vezes. Não tinha ideia do frio, muito menos do que iria encontrar lá. O primeiro iceberg que avistei foi uma grande emoção. Neste momento, você percebe que realmente chegou à Antártida. É o continente branco, com uma paisagem branca, mas cheio de vida e cores. Quando o sol brilha, o gelo ganha diferentes tons de azul, cinza e verde. A gente se sente muito pequenininho nesse mundo.

Zelfa Silva, em depoimento a Adriana Moreira, O Estado de S.Paulo

16 Junho 2009 | 02h36

As atrações. No Mar de Weddell, mais próximo à América do Sul, visitei uma colônia de pinguins imperadores. Desembarquei em glaciares e ouvi o barulho do gelo se quebrando e caindo no mar. É outro mundo. Transmite uma paz única. Vi baleias. Nos roteiros em navios quebra-gelo, o barulho do barco quando rompe o mar é inesquecível.

Melhor época. Em outubro há roteiros em navios quebra-gelo. A temporada de cruzeiros vai até março.

  

Veja também:

linkRoteiros em branco e azul

linkHIMALAIA - Everest visto de frente

linkSUÉCIA - Quarto que derrete no calor

linkNORUEGA - Miniveneza entre os fiordes

linkCANADÁ - Show de cores

linkALASCA - Um verão repleto de blocos de gelo

linkCHILE E ARGENTINA - Na Patagônia selvagem

Quanto custa. 12 dias com saída de Ushuaia, na Argentina, desde US$ 5.290. Site: www.antartida.com.br.

Mais conteúdo sobre:
ViagemAntártida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.