Adriana Moreira/AE
Adriana Moreira/AE

Entre subidas e cliques até Sausalito

Charmosa cidadezinha na região de São Francisco tem lojas criativas, uma pequena praia e um calor agradável

Adriana Moreira, O Estado de S.Paulo

23 Abril 2012 | 22h09

SAUSALITO - Naquela manhã, a neblina tão característica de São Francisco concentrava-se sob a Golden Gate, criando uma moldura ainda mais espetacular para um cenário normalmente apaixonante. Cada dia que eu olhava em direção à icônica ponte, a paisagem se transformava. Ora com as luzes douradas do pôr do sol - o que realçava ainda mais seu colorido característico -, ora com a iluminação noturna da cidade.

Foi justamente em uma dessas manhãs enevoadas que saí para pedalar até Sausalito, do outro lado da ponte, a cerca de 15 quilômetros de distância. Um passeio clássico - e altamente recomendável. Acredite: você não vai encontrar melhor maneira para fotografar a Golden Gate, de todos os ângulos que puder imaginar.

Eu havia consultado a previsão do tempo na noite anterior, que me garantia um dia ensolarado. Decidi não me impressionar com a névoa e com o frio da manhã e mantive a programação original. Coloquei um agasalho e uma echarpe ao redor do pescoço (fundamental para se proteger dos fortes ventos que não dão trégua) e segui, mais uma vez as instruções de Dylan, que me alugou a bicicleta no segundo dia com um desconto ainda mais amigável. 

Fui sozinha - segundo ele, não havia como se perder no caminho. Subidas? Sim, algumas. Mas você encontra pessoas com vários tipos de condicionamento físico no caminho, e quem não consegue encarar a ladeira no pedal simplesmente empurra a magrela, sem constrangimentos. 

O mapa que ele me deu ficou guardado na bolsinha à frente da bike o tempo todo - não precisei consultá-lo nenhuma vez. O caminho era realmente fácil, pela orla. À medida que o sábado ficava mais ensolarado, confirmando a previsão do tempo (ufa!) , o cenário se tornava mais convidativo para fotos. Aliás, não tenha pressa: saia cedo, reserve um dia inteiro para o passeio e pare quantas vezes quiser, seja para descansar ou clicar. Ah, e não esqueça de levar água.

Logo depois da primeira subidinha, um pouco antes da Marina, encontrei a primeira razão para descer da bicicleta. Uma feira no Fort Mason - mais um farmer’s market - onde garanti meu café da manhã com frutas frescas e um crepe feito na hora.

A pedalada seguiu plana, passando pela praia onde moradores levavam seus cães para passear - apesar do sol, o vento não inspirava um banho de mar nas já frias águas do Pacífico. A ponte começava a se aproximar, convidando a mais fotos.

Ao fim da via, chega-se a Fort Point, uma área fortificada logo abaixo da Golden Gate. Não há cobrança de entrada - estacione a bike do lado de fora e faça um tour por lá. A vista compensa.

De volta às pedaladas, era hora de encarar a segunda subida do passeio para chegar efetivamente à ponte. Esta, bem mais dura que a primeira. Vá no seu ritmo e pare para descansar lá no alto, enquanto aproveita para admirar a paisagem.

Bicicletas têm uma área exclusiva para passar sobre a ponte, separadas de carros e de pedestres. E a travessia é simplesmente incrível. Além de ver a ponte de todos os ângulos, o horizonte ainda exibe uma linda baía por onde circulam veleiros e barcos de passeio.

Chegada. Ok, primeiro objetivo cumprido. Era hora, portanto, de seguir rumo a Sausalito. Até chegar à charmosa cidadezinha você terá pela frente a subida mais cansativa (e longa) de todas. Encare de acordo com o que seu fôlego permitir.

Chegar em Sausalito é uma delícia. Não só porque as pernas pedem por um descanso: o vento incansável de São Francisco dá uma trégua por lá, oferecendo um calorzinho tão agradável que você será imediatamente tentado pelas sorveterias da rua principal. Antes de comprar seu gelado, contudo, estacione a bicicleta na área reservada a elas e saia para uma caminhada tranquila. Descanse, pare nas lojinhas charmosas e criativas, curta o ambiente. 

Pare para almoçar, caso seu estômago já esteja reclamando. Mas se ainda sobrar algum fôlego, pegue a bike novamente, peça um mapa da cidade no centro de informações turísticas e saia rumo à praia da marina. No caminho, você terá a oportunidade de ver as casas flutuantes, um dos símbolos de Sausalito.

A praia é pequena e repleta de veleiros e caiaques - a falta de ondas é um convite aos esportes náuticos. Mas depois de todo o trajeto, estender a canga na areia e simplesmente curtir o visual é um prêmio para lá de merecido. Antes, contudo, faça como os locais e dê uma paradinha no supermercado, a poucos metros dali. Escolha sushis ou sanduíches e faça seu próprio piquenique na praia.

Os mais fortes ainda seguem até Tiburon, cidadezinha a 13 quilômetros, ou voltam pedalando a São Francisco. Escolhi relaxar na praia e retornar na balsa, que tem uma área reservada às bicicletas e deixa os turistas no Pier 39. De quebra, ainda pude ver a Golden Gate sob as luzes do pôr do sol - e sem nenhum resquício da névoa matinal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.