Sudeste asiático em família

Eu, meu marido e filhos jovens (22, 18 e 17 anos) teremos 20 dias de férias em fevereiro e queremos ir ao Sudeste Asiático. A época é adequada? Vale a pena fazer um cruzeiro? Se não, qual é o melhor itinerário? Natália, São Paulo.

Ricardo Freire, O Estado de S.Paulo

02 Junho 2015 | 02h05

Novembro a março é a melhor época para visitar o Sudeste Asiático sem o risco de monções. Estará um pouco frio no norte do Vietnã (caso você estique até lá) e pode chover um pouco em Bali, mas você estará a salvo do calor extremo e das chuvas torrenciais contínuas do meio do ano. Os cruzeiros na região, assim como no Mediterrâneo, são inconvenientes para explorar as atrações em terra; são recomendáveis para quem está mais interessado em curtir o navio.

São tantos os destinos interessantes do Sudeste Asiático que a maior dificuldade reside em selecionar as paradas do itinerário. Não pense, contudo, que essa será sua última viagem à região. Se você gostar, com certeza vai voltar em alguns anos (quando então poderá visitar o que ficou de fora na primeira vez).

Eu sempre recomendo começar por Cingapura, uma metrópole a um só tempo rica e pitoresca. É a melhor e mais segura introdução à Ásia: sua família estará exposta às culturas malaia, chinesa e tâmil (indiana) num só lugar. Compense os gastos em hospedagem (que são salgados) com refeições nos hawker centres, praças de alimentação que os moradores usam de manhã à noite.

Depois de quatro noites em Cingapura, recomendo voar a Denpasar, em Bali. Eu programaria três noites na praia, em Sanur (um vilarejo sereno, que não tem a muvuca non-stop de outras praias balinesas), e três noites na montanha, em Ubud, a capital espiritual de Bali. Façam os passeios aos templos, ao Vulcão Agung, às apresentações de dança. Com um pouquinho de sorte, em algum deslocamento vocês vão deparar com algum cortejo de casamento - é a festa mais linda da ilha.

Na metade da viagem, já escolados, voem a Bangcoc. Fiquem três noites; tirem um dia para fazer o passeio às ruínas de Ayutthaya. De lá, usem a low-cost Bangkok Airways para visitar os dois lugares mais especiais do Sudeste Asiático: Luang Prabang, a capital do Laos, de arquitetura francesa e grande população de monges, e Siem Reap, no Camboja, onde está o complexo de templos perdidos de Angkor Wat - na minha opinião, um lugar dez vezes mais emocionante do que as pirâmides do Egito. Fiquem três noites em cada parada.

Viajem leve: uma malinha M e uma mochilinha bastam. Qualquer hotel lavará roupa rápido, barato e com perfeição de um dia para o outro. Passem uma última noite em Bangcoc antes de retornar, evitando perrengues nas conexões.

 

Mais conteúdo sobre:
Ricardo Freire O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.