Bruna Toni/Estadão
Bruna Toni/Estadão

Episódio 14: experimentando vodcas

Degustamos diferentes tipos de vodcas, incluindo uma russa

O Estado de S.Paulo

14 Junho 2018 | 17h41

 

Quando se fala em Rússia, um dos primeiros pensamentos é 'vodca'. De fato, a bebida destilada faz parte da tradição russa e há até um museu dedicado a contar sua história em São Petersburgo - que nós visitamos, leia sobre ele aqui.

Nada mais justo, então, do que dedicar um episódio do A Rússia é Logo Ali à bebida típica. Nele, dois entendedores do assunto - Henrique Sarhan e Bruno Mori, donos da marca Tiiv, a primeira vodca orgânica do Brasil - explicam como é o processo de feitura da vodca, o que garante qualidade a ela e qual a diferença de uma vodca orgânica. Ao lado do repórter do Estadão, colunista do Viagem e apreciador de bons drinques, Gilberto Amendola, os dois esclarecem mitos e verdades sobre a vodca. É verdade que ela fica melhor congelada? Ela realmente dá amnésia? 

A russa Irina Igaratenko, que vive no Brasil há anos e prepara a própria vodca, volta ao programa para explicar como é que se bebe vodca na Rússia, afinal. Sim, o ritual é bem diferente por lá. Não se pode, por exemplo, servir vodca para alguém e entregar o copo na mão da pessoa. É preciso colocar na mesa e, dali, ela mesma pega e vira. Fazer de outra forma dá briga.

LEIA MAIS - Com a Copa, vodca entra em alta temporada

Para acompanhar os jogos da Copa, Henrique, Bruno e Gilberto dão suas receitas de drinques com vodca. E, claro, há a degustação de quatro tipos diferentes de vodca: uma russa, uma brasileira popular, uma orgânica e uma marca mundial bastante famosa. As preferidas de nossos convidados também estão no vídeo. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.