Justa Jeskova/Vail Resorts
Justa Jeskova/Vail Resorts

Erros e acertos de um esquiador iniciante em Whistler

Estação de esqui próxima a Vancouver, no Canadá, agrada tanto quem não tem familiaridade com os esportes de neve quanto profissionais - afinal, foi sede dos Jogos Olímpicos de Inverno em 2010

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

15 Janeiro 2019 | 04h00

Pensei em começar este relato sobre a estação de esqui de Whistler, no Canadá, contando sobre como é prazeroso tirar os pés de dentro de pesadas botas de esqui. Acertadamente não levei o projeto adiante – essa descrição implicaria em metáforas, comparações e onomatopeias capazes de derreter a neve das montanhas geladas do Canadá ou de corar quem agora me lê. Decidi, portanto, começar esta narrativa de um jeito mais familiar. Vamos começar pela “pizza”. 

“Uma pizza perfeita!” – comemorou a instrutora ao perceber que seu aluno brasileiro movia os calcanhares para fora, formando com os pés o desenho de uma fatia imaginária de...pizza. Assim, finalmente, depois de inúmeras tentativas, eu conseguia controlar a velocidade do esqui e me equilibrar. 

Claro, minha vitória não foi tão duradoura. Desabei. A neve macia fez da queda um percalço menor. Dor? Só mesmo um leve ferimento no orgulho ao ver um japonesinho de dois anos e meio descer a montanha com a desenvoltura de um profissional. Mas, com a ajuda de Carla, uma paciente instrutora de ski nascida em Andorra, me coloquei de pé, ajustei meu capacete, ajeitei minhas luvas e tentei outra vez. Outra vez. Outra vez. E outra vez. 

Não é sempre que se tem a oportunidade de aprender a esquiar em um palco tão relevante. No mesmo local em que eu ensaiava minhas primeiras derrapadas, atletas profissionais batiam recordes e ganhavam medalhas na Olimpíada de Inverno de 2010. Estou falando das montanhas de Whistler e Blackcomb, localizadas na cidade de Whistler, no trecho sul das montanhas costeiras do Canadá, na Colúmbia Britânica, distante cerca de 125 quilômetros de Vancouver.

A partir de dezembro, e durante toda a temporada de esqui, a neve cai de forma constante. Os telhados são cobertos pelo glacê do inverno e toda paisagem vai remeter ao seriado Game of Thrones ou a algum singelo conto natalino (pensei em Rudolph – A Rena do Nariz Vermelho). Apesar disso, e para minha surpresa, o frio não é agressivo. As temperaturas costumam ficar em torno dos 5 graus negativos. Ou seja, é frio, mas nada impeditivo. Com um pouco de coragem, é possível até encarar uma piscina (aquecida) ao ar livre. Os dias, esses sim, são bem mais curtos. Depois das 16h, resta pouco ou quase nada de claridade.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.