Esforço para chegar a Jeri é recompensado

Além de brasileiros, a praia também chama atenção dos estrangeiros

Renata Gallo, Especial para O Estado

29 Outubro 2014 | 20h00

Para muitos, para se chegar ao paraíso, é preciso rodar quase 300 quilômetros a partir de Fortaleza e, então, sacolejar por quase uma hora em estrada de terra. Apesar da maratona, não há registro de turista que tenha se arrependido de ir a Jericoacoara. Muitos, inclusive, partiram de terras além-mar para ali se estabelecer.

O encantamento de Jeri ultrapassa fronteiras. Hoje a praia paradisíaca é um dos pontos mais internacionais do litoral nordestino. Existe a vila de pescadores, mas, nela, alemães, franceses e italianos, entre outras nacionalidades, dão um sotaque único ao local.

Muitos vão para Jeri para assistir ao espetáculo que ocorre, diariamente, em suas dunas. Antes do entardecer, moradores e turistas saem de vários pontos da praia para se reunir no alto da grande duna à beira-mar e, de camarote, admirar o pôr do sol.

Outro cartão-postal é a Pedra Furada, esculpida pelas ondas, a dois quilômetros da vila. Para ir até ela há três opções: buggy, cavalo ou trilha. Na maré baixa (veja o horário na pousada), o trajeto a pé, pela Praia da Malhada, dura meia hora. Na maré alta, só por cima do Morro do Serrote, onde o esforço é proporcional à beleza da paisagem. Nas praias de areia fina e mar azul, o vento é um aliado - para dar refresco ao calor e para impulsionar as velas de kitesurfe e windsurfe.

Engana-se quem imagina noites de tranquilidade. Na Rua do Forró e na praia, são tão animadas a ponto de existir em Jeri uma padaria para os baladeiros. A Santo Antônio só funciona de madrugada, a partir das duas da manhã. Se você faz parte da turma, escolha uma pousada no centro, como a Vila Kalango (vilakalango.com.br). Para ficar fora do agito, o ideal é um lugar mais recluso, como o hotel-butique Chili Beach (www.chilibeach.com).

Quem não quer fazer passeios de buggy pode reservar outra pousada, para uma ou duas noites, em Jijoca de Jericoacoara. O município, a 23 quilômetros, não só é o ponto de partida para Jeri, mas também o lugar onde ficam as lagoas de águas cristalinas mais famosas da região, a Azul e a Paraíso. Ficar deitado nas redes, colocadas pelas pousadas e restaurantes dentro d’água, é a principal distração do destino. Afinal, relaxar é preciso.

Beleza pura em Noronha

Se você surfa, de dezembro a março, é temporada do esporte em Fernando de Noronha. Se mergulha, o arquipélago possui uns dos melhores pontos do Brasil. Mas, se gosta só de contemplar, pode chegar. Com mata nativa e água transparente, Noronha é um alento. Pode acreditar, nenhum outro destino brasileiro concentra tanta beleza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.