Espaço extra entre poltronas também é taxado

Já faz pelo menos cinco anos que boa parte das empresas aéreas percebeu a corrida dos passageiros da classe econômica para fazer o check-in o quanto antes e garantir lugar nas poltronas menos apertadas - aquelas que ficam nas primeiras fileiras e junto às saídas de emergência. Resultado: cobrança extra, claro.

O Estado de S.Paulo

17 Abril 2012 | 03h08

Entre as principais companhias que operam voos domésticos no Brasil, a TAM cobra a partir de R$ 10, de acordo com a rota, para reservar tais assentos. Nos voos internacionais paga-se, em média, US$ 30 extras para a América do Sul, US$ 50 para a América do Norte e US$ 70 para a Europa. A Azul tem poltronas com mais espaço para as pernas - 86 centímetros, contra 79 dos assentos convencionais - ao custo de R$ 20. A reserva deve ser feita na compra do bilhete ou no check-in, se ainda houver disponibilidade. Gol, Avianca e Webjet afirmaram não aplicar nenhum tipo de cobrança extra por estes assentos.

Entre as companhias aéreas internacionais, Air France, KLM, American Airlines e United cobram pelos assentos concorridos, com preços variados. A Lufthansa está entre as poucas que não cobram pela reserva das poltronas privilegiadas. / B.T.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.