Espetáculo das gigantes em alto-mar

De maio a novembro, baleias invadem o sul da Bahia

Adriana Moreira, O Estado de S.Paulo

10 Novembro 2009 | 01h51

Entre os meses de maio e novembro, visitantes de peso chegam à parte do litoral baiano conhecida como Costa das Baleias. Distante 110 quilômetros do Parque Nacional de Abrolhos, Prado também está na rota das jubartes. Quem se hospeda na cidade parte do Rio Jucurçu, de barco, para procurar os animais.De brinde, ainda tem o gostinho de observar a extensa área de mangue da região.

 

TURISTAS - Jubartes saem da Antártida para ter filhotes e acasalar em águas mornas

"A gente não fala que é 100% de certeza de ver baleia porque não pode, mas quando o barco parte a gente já sabe que vai ver. Elas sempre estão no caminho", conta o guia Luiz Alberto Lemos, o Bila. Mesmo cientes de que não há garantia, a expectativa dos visitantes é grande. Parece demorar uma eternidade até o grupo avistar os primeiros sinais das jubartes. Até que o barqueiro, experiente, avisa: "Ah, tem um grupo ali."

 

Veja também:

linkCoqueiros, falésias e boa comida

linkArte colorida e cheia de humor

E só depois disso é possível identificar os jatos d"água dessas turistas que saem da Antártida para se reproduzir ou ter seus filhotes no mar morno da Bahia. Algumas são ousadas e chegam bem perto do barco. Outras, exibidas, realizam saltos espetaculares. Os filhotes também tentam se aproximar, mas as mães fazem de tudo para afastá-los das embarcações. Com uma ajudinha da sorte, é possível até ver bandos de golfinhos acompanhando algumas das gigantes. Pura emoção.

Os passeios custam, em média, R$ 80 por pessoa e podem ser agendados nos hotéis e nas pousadas. Nunca é demais aconselhar: um remedinho para enjoo antes de embarcar pode fazer toda a diferença para quem tem estômago sensível. Como os barcos que levam para observar baleias são pequenos, estão bastante sujeitos aos caprichos do mar.

RECIFES

No caminho é possível parar nos recifes de Guaratibas e Timbebas para fazer snorkeling. No primeiro, o barco para em um banco de areia, enquanto os turistas aproveitam as piscinas naturais. E só sai quando a maré encher outra vez. Fica a dica: vá nas luas cheia ou nova, quando a amplitude da maré é maior.

Mais conteúdo sobre:
Viagem & Aventura Bahia Prado

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.