Europa num Penha-Lapa

miles@estadao.com

Mr. Miles, O Estado de S. Paulo

17 Janeiro 2017 | 03h00

As you say in Brazil, o frio pegou pesado por aqui”, disse-nos, de Londres, o sempre querido colaborador deste caderno. Mr. Miles informa-nos, vagamente, que decidiu ir para o sul em busca do calor que diminui suas pertinazes dores no joelho. Por enquanto, garante, vai ficar, na companhia de Trashie, em frente à lareira de sua casa no Condado de Essex. E garante que terão – ele e a raposa das estepes siberianas – a companhia de um whisky de qualidade. Na próxima edição, devemos ter notícias do viajante britânico. 

A seguir, ele responde à pergunta da semana:

Mr. Miles: quero deixar aqui meu protesto contra essas excursões de turismo em ônibus. Fui recentemente à 

Europa, toda animada, e acabei tendo muitos problemas. A guia era mandona e não tinha nenhum jogo de cintura quanto ao tempo. Por duas vezes, ela ameaçou me mandar embora caso não fosse pontual. Outra coisa: viajei sozinha em busca de companhia. Não havia ninguém simpático a bordo. Todos saíam correndo para acompanhar a guia chata e voltavam grudados nela. Eita gente medrosa! Araci Galvão Motta, por e-mail

Well, my dear: que pena que você não aproveitou a viagem. O objetivo dessa modalidade de viver é ampliar conhecimento e divertir-se, if you can. Vejo que esse não foi o seu caso. Ouso avaliar – embora com os poucos dados de sua carta – que sua expectativa não foi cumprida. Deu-me a impressão, lendo sua correspondência, que você esperava de uma excursão de ônibus muito mais do que ela podia oferecer. Aliás, darling, parece-me que você espera que as pessoas e as coisas sejam muito melhores do que são.

Veja o caso de sua guia, for instance. Não sei o que mais ocorreu, mas ela estava absolutamente correta em estabelecer prazos rígidos. Viagens de ônibus, sobretudo as ambiciosas, que incluem muitos países em pouco tempo, não têm negociação. E é compreensível, isn’t it?

Se todos os passageiros resolvessem atrasar um minuto, cada um em sequência – digamos que seus coviajantes fossem 30 –, provavelmente a guia teria de tirar a Bélgica do roteiro. Ou, pior: vocês passariam tão rápido pela Holanda que, no caso de um cochilo, o país dos diques ficaria para trás.

 Não sei mais sobre a sua guia mas, por enquanto, ela está vencendo você por 1 a 0. Você poderia tirar pontos dela caso as informações turísticas contivessem muitos erros. Para isso, basta levar um livro confiável e verificar.

A correria em cada parada é, unfortunately, uma das primeiras condições de viagens de ônibus de excursão. Ou você acompanha sua cicerone e conhece alguma coisa, ou estabelece seu próprio ritmo e, com um mapa na mão, tenta chegar nas atrações, quase sempre sem sucesso. As guias conhecem atalhos para fazer o tempo render. Porque, se além dos atrasos matinais, houver atrasos nas paradas, talvez seja a vez de a Suíça ser descartada. 

Besides, baseado em seu próprio relato, pontualidade é um assunto fora de pauta. Am I right?

Sobre a frase ‘não havia ninguém simpático a bordo’, de sua autoria, isso, de fato, pode acontecer de tempos em tempos. Mas é, em geral, uma raridade. Eu a ofenderia se cogitasse a ideia de que todos a bordo fossem simpáticos, exceto você, darling

De antemão, forgive me por especular. Temo, na verdade, perder sua simpatia – o que me deixaria muito entristecido –, mas escrevo, aqui, para milhares de outros leitores no sentido de orientá-los. Viagens de ônibus com trajetos curtos e hotéis especiais são uma opção. However, é elementar que custarão mais ao viajante.

A excursão que você fez foi uma espécie de Europa em um Penha-Lapa, com um nome pomposo como: ‘Um roteiro de sonhos por 18 lindos países’.

Não tenho nada contra esse tipo de passeio, que é uma espécie de índice para sua viagem posterior. Com olhos sem rancor, você vai descobrir o que mais lhe interessou e voltará em breve. Sugiro, by the way, que você volte sozinha ou acompanhada por aquela sobrinha que a ama muito, sem restrições.” 

 

MR. MILES É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO. ELE ESTEVE EM 312 PAÍSES E  16 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS.

Mais conteúdo sobre:
Europa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.