Experiência vintage em Haji Lane

Lojas moderninhas e cafés com narguilé num roteiro inesperado por um dos bairros mais tradicionais da capital

Gisela Williams, THE NEW YORK TIMES, CINGAPURA, O Estado de S.Paulo

29 Dezembro 2009 | 03h38

O bairro histórico de Kampong Glam, em Cingapura, há mais de um século serve de endereço para lojas de tecidos da Indonésia e carpetes muçulmanos de oração. É como se a região tivesse ficado plenamente preservada em âmbar desde o plano Jackson de 1822, quando os britânicos dividiram a cidade em bairros étnicos. Ou quase.

Isso porque ao virar na Haji Lane, uma pequena rua no coração de Kampong, você encontrará uma vibe completamente diferente. Pisque os olhos e correrá o risco de perder a abertura de uma loja fashion. Provavelmente, um lugar como o Know it Nothing, que em um loft minimalista abriga tanto uma pequena galeria quanto uma bem bolada loja de moda masculina. Há nas araras, por exemplo, opções de camisas xadrezes das marcas independentes Wrath Arcane e Vans, de Cleveland, bem no estilo nerd-chique.

Perto dali está a Paper People, repleta de coloridas peças para decoração e de produtos inusitados de papelaria, como um caderno que leva a foto de David Bowie e papéis de embrulho estampados com dinossauros de néon. A loja foi aberta originalmente no shopping center Far East Plaza, em 2004. Mas as donas da marca, Juliah Theresa Jailani e Suffian Sumamaili, decidiram se mudar para a Rua Haji Lane neste verão. Chegaram à conclusão que o antigo endereço havia se tornado tedioso e sem originalidade.

Segundo Jailani, a nova locação combina mais com a concepção estética da dupla. "Nossos vizinhos de lá simplesmente compravam produtos chineses e mudavam os rótulos. Aqui, nos sentimos livres para seguir adiante e explorar novas coisas. O povo nos dá coragem para expormos nossa própria arte", diz Jailani.

E certamente dá. Haji Lane se tornou o local para aqueles que não curtem o que veem nos shoppings centers. São os que preferem comprar roupas vintage em butiques extravagantes como a Dulcetfig. Ou vão conferir os lançamentos em decoração da Pluck, que é metade loja, metade sorveteria. Já o movimento New Age reside no The Sanctum, espaço que tem aulas de ioga, leituras de tarô e massagens Shiatsu.

Ali, a vida noturna é jovem e está representada principalmente pelos cafés estilosos, com luxuosas vitrines e salas para fumar narguilé. O pioneiro da área foi o Cafe Le Caire, um restaurante árabe aberto em 2001 que ficou famoso por ter espaços desse tipo. Ameen Talib, o proprietário, deixou seu trabalho na universidade e foi para a região com a ideia de atrair o público árabe de Cingapura. "A área estava totalmente morta. Havia apenas um monte de lojas vazias e as que estavam ocupadas eram usadas como depósitos", conta.

Como era esperado, o Le Caire inspirou o aparecimento de outros cafés, como o Altazzaq e o MoSi Cafe. Em seguida, quando a Comme des Garçons - espécie de outlet que funciona por pouco mais de um ano e depois desaparece - foi inaugurada em 2005, outras pequenas lojas modernosas e vanguardistas invadiram a área.

A última inovação que você vai encontrar na Haji Lane são os blog shops, estabelecimentos que brotaram na blogosfera e migraram para o varejo. O mais notável é o de mesmo nome, The Blog Shop, que abriu neste verão. Itens da moda underground são encontrados facilmente, como espartilhos de estilo vampiresco e colares com penas brancas. Quando a cantora ultra moderna Gwen Stefani se apresentou na cidade no último outono, ficou perplexa. Já era de se esperar.

COMO IR PASSAGEM AÉREA

O trecho São Paulo-Cingapura- São Paulo custa a partir de

R$ 5.325 na Air France (www.airfrance.com.br), R$ 5.433 na Emirates (www.emirates.com/br) e R$ 5.797 na British Airways (www.britishairways.com). Com conexão

SAIBA MAIS

Know it Nothing:

www.knowitnothing.com

Paper People:

www.paperpeople-shop.com

Dulcetfig: www.dulcetfig.com

Pluck: www.pluck.com.sg

The Sanctum:

www.sanctumsg.com

Cafe Le Caire:

www.cafelecaire.com

Blog Shop: www.theblogshop.sg

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.