Andy Warhol Museum/EFE
Andy Warhol Museum/EFE

Fábricas de iconoclastia

Nos apartamentos de Andy Warhol ocorriam as célebres festas repletas de grandes nomes do mundo das artes

Fabiana Caso, O Estado de S.Paulo

20 Junho 2017 | 04h30

Antes do punk, porém, havia Andy Warhol e o Velvet Underground. As cenas musicais e de arte de Nova York não seriam as mesmas sem as “fábricas” de Warhol ou de seu incentivo à arte em tantas formas. Warhol chamou seu estúdio de Factory (fábrica), e o primeiro endereço acabou conhecido como Silver Factory (Fábrica Prateada) por conta da decoração cintilante. 

De 1962 a 1967, ela ficava na região de Mid Manhatan, no número 231 da East 47th Street, mas o prédio onde estava acabou demolido em 1969. Ali, o Velvet Underground, de Lou Reed, John Cale, Maureen Tucker e Nico, foi fermentado, na contramão do flower power, em rock tão experimental quanto artístico, e punk em sua atitude (assista abaixo ao Velvet Underground em uma jam de improviso nas 'fábricas' de Andy Warhol). 

 

Assim como a mutante cidade, Warhol transitou e mudou o seu QG artístico para o East Village. O prédio da segunda locação da Factory continua intacto, imponente, com seus belos adornos de terracota e grandes janelas no número 33 da movimentada Union Square. A fábrica de Warhol ocupou o sexto andar do chamado Decker Building, de 1968 a 1973, sendo inclusive o fatídico cenário da tentativa de assassinato, onde Warhol e o crítico de arte Mario Amaya foram baleados por Valerie Solanas.

Ironia do destino, hoje a loja do térreo é uma espécie de fábrica de doces, vendendo pirulitos, sorvetes e souvenirs aos turistas – vale provar o saboroso sorvete de scotch butter enquanto imagina o que se passava naquele prédio de pop art, filmes, polaroides e festas repletas de louca decadência.

A poucos passos, do outro lado da praça, no cruzamento da Union Square com a Broadway, fica o terceiro endereço que a Factory ocupou, entre 1973 e 1984, no 860 da Broadway – um prédio sem tanta graça aparente, que testemunhou dias de menos glória criativa na fábrica de invenções de Warhol.

Entre uma festa e outra, Warhol recuperava as energias nos cafés e doces da Serendipity 3 (225 East 60 St.). E pagava as contas com desenhos originais. Dali, são apenas alguns quarteirões até o MoMA, para relembrar a genialidade do ícone da pop art. 

Mais conteúdo sobre:
Andy Warhol Nova York

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.