FAQ'S do Caribe

Com cada vez mais ilhas servidas por voos diretos, tanto regulares quanto fretados, o Caribe se consolida como a nova fronteira para as férias na praia do brasileiro.

Ricardo Freire, turisdta.profissionbal@grupoestado.com.br, O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2010 | 03h22

Mais até do que o mar azul-bebê, o que nos atrai é a novidade. Na cabeça do brasileiro, as ilhas do Caribe são um arquipélago com o formato de um ponto de interrogação.

Para facilitar a vida dos candidatos a viajar pela região, compilei as perguntas mais frequentes que me fazem sobre o Caribe.

Precisa visto? Só para o México (o visto americano válido também é aceito), Cuba (obtido na compra do pacote ou solicitado junto ao consulado) e para os territórios dos Estados Unidos no Caribe, como Porto Rico e Ilhas Virgens Americanas. O território francês de Guadalupe, onde estão St.-Martin e St.-Barthélemy, não exige mais visto de brasileiros desde outubro de 2009.

Precisa vacina contra febre amarela? Se você for fazer conexão na Cidade do Panamá, em Bogotá ou Caracas, vai precisar. Barbados tem legislação dúbia, que exige a vacina de brasileiros provenientes de regiões onde a febre amarela é endêmica. Na dúvida, sempre é bom ter o certificado em dia. Lembre-se de que a vacina só vale dez dias depois da aplicação (e então permanece válida por dez anos).

Precisa fazer câmbio? Com exceção de Cuba, o dólar é moeda corrente em todos os lugares turísticos do Caribe. O troco normalmente vem na moeda local. Na maioria dos países os caixas automáticos inclusive dão a opção de fazer saques em dólar. Cartões de crédito têm larga aceitação. Caso você vá para Los Roques, saiba que na Venezuela o câmbio negro é praticado abertamente e chega a pagar o dobro da cotação oficial.

Precisa falar inglês? Nosso portunhol é relativamente bem entendido na República Dominicana, em Cuba, no México, na Colômbia, na Venezuela, em Aruba e Curaçau. Em St. Maarten e Barbados, um pouco de inglês é bom para evitar mal-entendidos. Tanto na parte francesa de St.-Martin quanto em St.-Barth o inglês é compreendido e falado por todos.

Precisa carro? Em St. Maarten, Curaçau e St.-Barth é fundamental. Em Cancún, permite que você passeie por conta própria. Em Aruba dá uma mobilidade extra, mas não é imprescindível. Em Barbados, a independência vem com um problema: dirigir na mão inglesa em estradas acanhadas. Em Playa del Carmen só é necessário para os dias de passeios. Em Cuba é uma aventura (poucos postos de gasolina, muitos cubanos pedindo carona). Em Punta Cana é praticamente inútil.

Precisa carteira internacional de motorista? As locadoras nunca pedem. É bom fazer a sua para eventuais problemas com a polícia (talvez não nessa, mas em outras viagens). Em Barbados a locadora emite uma carteira local temporária por US$ 10.

E os furacões? Podem ocorrer entre agosto e novembro (com exceção de Aruba, Curaçau, Los Roques e Cartagena). A probabilidade de pegar um é mínima - e compensada pelos preços bastante em conta desta época.

Como é a temperatura da água? Morna no meio do ano (mas menos morna que no Nordeste) e um pouquinho fria no fim do ano (mas menos fria que no Rio e em Santa Catarina).

Tem muitos passeios? No seu hotel haverá guichês de agências locais com os catálogos. Quase tudo pode ser arranjado de um dia para o outro. Cancún, Playa del Carmen e Barbados têm os passeios mais diversificados. Fãs de arquitetura colonial vão curtir Havana, Cartagena e Curaçau. Para mergulhar os destinos top são San Andrés, Bonaire, Los Roques, Curaçau e St. Maarten. Para ir com crianças, Punta Cana, Aruba e Riviera Maia.

Tem agito? Cancún e sua vizinha descolada, Playa del Carmen, são imbatíveis neste quesito. A noite tem algum apelo para solteiros em Cartagena, Barbados e Curaçau.

Como são as compras? O comércio nas ilhas é voltado para o turista americano. Por isso é especializado em tudo o que é altamente taxado nos Estados Unidos: joias, relógios, cosméticos, perfumes e roupas de grife. O único lugar onde comprar eletrônicos é interessante é o Panamá; se a renovação do seu equipamento fizer parte do seu plano de viagem, programe uma paradinha na Cidade do Panamá na volta. Ou vá via Miami.

 

 

Veja também:

 

linkSiga a trilha de blocos de gelo até chegar ao Glaciar Grey

 

linkMaravilha em reflexo

 

linkDois circuitos e muito desafio no trajeto para as torres

 

linkAs boas surpresas dos percursos W e O

 

linkDescobertas de uma visita ao anoitecer

 

linkO lugar mais bonito do mundo

Mais conteúdo sobre:
patagônia chilena viagem estadão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.