Viviane Jorge/Estadão
Viviane Jorge/Estadão

'Ferveção' em águas cristalinas

Os fervedouros, nascentes de águas puras que formam piscinas naturais, se espalham pelas proximidades de Mateiros

Viviane Jorge, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2019 | 04h40

Depois da prova, pudemos relaxar em um espaço de convivência com DJ, um belo café da manhã e massagistas – algo providencial. Afinal, ainda iríamos visitar lugares emblemáticos da região naquele mesmo dia. Um deles é o Fervedouro Do Ceiça, em Mateiros

Foi ali que paramos para almoçar. O Fervedouro do Rio do Sono (63-9938-4920) conta com um restaurante que serve almoço self-service (R$ 35 por pessoa; reserve) e um convidativo redário. Se quiser também visitar o fervedouro, é preciso pagar mais R$ 20.

Os famosos fervedouros do Jalapão são nascentes de água poderosas, que brotam do chão borbulhando. A temperatura é agradável, e as águas, cristalinas. Estima-se que existam pelo menos 20 entre Mateiros e São Félix do Tocantins, embora nem todos estejam abertos a visitação. 

Depois do almoço, partimos em direção a outro fervedouro, a 15 minutos dali. O Fervedouro do Ceiça (R$ 20 por pessoa) tinha uma pequena fila – apenas seis pessoas podem se banhar no local por vez. 

Quando finalmente chega a nossa vez, entendemos o porquê da fama. Pense num lugar paradisíaco, com águas incrivelmente cristalinas e cercado de densa vegetação. É importante gravar uma imagem mental do fervedouro, porque a câmera não consegue captar a beleza do lugar. 

É impossível afundar

Além da beleza estonteante, a flutuação é muito divertida. A água sai da nascente com pressão tão forte que não deixa o visitante afundar. Esse fervedouro tem 35 metros de profundidade e o banhista boia tranquilo (e maravilhado) na superfície. A vontade é de ficar ali muito mais do que os 20 minutos permitidos. 

Cansados da corrida, da estrada e do passeio, ainda temos mais uma parada em Mateiros: a Cachoeira do Formiga, no rio de mesmo nome. O local tem uma queda linda de 2 metros de altura de água morninha, esverdeada e transparente. O local é o mais cheio dos que visitamos no Jalapão, mas é muito bonito: a areia branca que se vê no fundo e a correnteza suave são um convite ao mergulho. A queda ainda proporciona uma hidromassagem natural, muito bem vinda. A cachoeira ainda esconde uma surpresa: uma piscina natural de águas claras, onde você pode entrar e esquecer da vida. 

Depois de ficarmos na água até enrugar os dedos, passamos no bar da cachoeira, para ver um pouco do jogo da seleção (era final da Copa América). Pudemos também bater um papo com o Seu Simão, dono do lugar, que dividiu conosco o churrasquinho que fazia em família. A entrada na cachoeira custa R$ 20 e você pode passar o dia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.