Fiordes no Adriático

Se você está em Dubrovnik, visite a Baía de Kotor, em Montenegro, um cenário dramaticamente emoldurado por montanhas escarpadas que com frequência é associado aos fiordes noruegueses. São 70 quilômetros até lá.

KOTOR, O Estado de S.Paulo

22 Julho 2014 | 02h05

Kotor é também o nome da principal cidade local. O caminho mais curto e rápido é por ferry (€ 5). Outra opção é contornar a baía pelas cidades na margem. Nesse caso pare na calmíssima Perast, próxima de duas ilhas intrigantes, uma com um monastério beneditino cercado por ciprestes, a outra com a Igreja de São Nicolas, pequena por dentro mas com uma torre de 55 metros. A igreja pode ser visitada em barcos constantes que fazem o percurso em três ou quatro minutos.

Perast, uma antiga potência naval, lembra o passado perdido em um mapa da sua praça central indicando 16 igrejas e 17 palácios, além de um texto registrando uma frota de 40 navios há mais de três séculos.

Kotor, em contraste, é a esquina mais visitada e desenvolvida da baía, com lanchas, iates e alguma aspiração jet-setter. O centro histórico murado tem um bom comércio e vielas de mármore à Dubrovnik, mas importantes construções danificadas em um terremoto não foram restauradas. Desse centrinho parte uma muralha estapafúrdia, uma serpente de pedra que sobe até 260 metros de altura, acompanhada de 1350 degraus.

Lá de cima você tira a foto que buscava o dia todo, mas, como alternativa ociosa, aqui vai uma dica comprovada. Dirija de Kotor até a montanha Lovcén seguindo as placas para Cetinje. Sim, é essa entrada minúscula à direita dessa cesta de basquete esquisitamente à beira da estrada. Aí começam 17 quilômetros de curvas muito fechadas e uma vista cada vez mais impressionante. Se for o motorista, faça força para não deixar de olhar para a frente. / T.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.