Florença: quatro dias

É o coração da Itália renascentista. Embora seja possível conhecer os principais pontos turísticos em dois dias, vale a pena entrar em modo slow travel e dar a devida atenção aos detalhes e ao estilo de vida em uma das maiores cidades da Toscana.

O Estado de S.Paulo

24 Fevereiro 2017 | 04h55

O primeiro dia foi todo dedicado a caminhar livremente pelas ruas estreitas do centro histórico, passando pela praça do Duomo e do Batistério de São João, onde Dante Alighieri foi batizado no século 13. A entrada é gratuita; para subir até a cúpula e o campanário e visitar o batistério, o ingresso custa por € 15 (bit.ly/visitaflorenca).

Na Piazza della Repubblica ficamos por quase uma hora sentados nos bancos de pedra, admirando crianças que brincavam em um carrossel e tomando um gelato florentino, antes de seguirmos pela Via Calimala até a Fontana del Porcellino, onde fica um mercado popular que vende de tudo. Dali, fomos para a icônica Ponte Vecchio, que cruza o Rio Arno e é o cartão-postal de Florença; o Corredor Vasari foi projetado pelo arquiteto Giorgio Vasari para que a família Medici pudesse ir do Palazzo Vecchio ao Palazzo Pitti com segurança e sem encontrar a plebe. 

No segundo dia, a caminho do Jardim de Boboli, encontramos uma das casas em que viveu Galileu Galilei (Costa San Giorgio, 19). Atualmente, ela tem na fachada uma foto do cientista e astrônomo nascido em Pisa, além de uma placa de mármore. A entrada para o Jardim de Boboli fica no Palazzo Pitti. O ingresso de € 13 dá direito a visitar cinco museus do complexo (bit.ly/cincomuseus).

As outras igrejas de Florença ficaram para o terceiro dia: além do Duomo, Santa Maria Novella, San Lorenzo, Santa Croce, San Miniato e Santo Spírito. 

No quarto e último dia decidimos fazer um tour inspirado em Dante. O poeta italiano viveu na cidade e diversas placas de mármore espalhadas por todo o centro histórico têm trechos da Divina Comédia entalhados. Há um museu onde se acredita que tenha sido sua casa. A entrada custa € 4 (Via Santa Margherita, 1); em frente há um busto do escritor na calçada de pedra. Ao lado está a igreja em que Dante teria conhecido sua amada Beatriz.

Também no último dia, conversamos com donos de lojinhas da cidade sobre um personagem muito famoso criado por um escritor florentino: Pinóquio. O boneco de madeira está por toda parte. Terminamos o dia vendo o pôr do sol no Piazzale Michelangelo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.