Pronáutica
Pronáutica

Florianópolis com adolescentes

A geografia da ilha catarinense é ideal para curtir a natureza

Thiago Momm, Especial para O Estado

30 Novembro 2017 | 04h29

O calor do verão se instala e Florianópolis se torna, trânsito à parte, uma excelente opção para “desurbanizar” as almas, insuflando nelas as delícias da estação. Para quem vai à ilha com filhos adolescentes, é a oportunidade de usufruir com eles a divertida dimensão além-aplicativos da vida.

Hospedar-se na região da Lagoa da Conceição favorece a prática de trilhas, aulas de surfe na Barra da Lagoa, mergulho na Ilha do Campeche e prática de wakeboard e flyboard – uma prancha que faz corajosos flutuar sobre as águas – na Lagoa, sem contar o clássico sandboard na Joaquina. Ficar em Jurerê ou ao norte facilita aproveitar o maior parque aquático da cidade, o Água Show, saídas para mergulho na Ilha do Arvoredo e as numerosas aulas para adolescentes do Jurerê Sports Center (Jusc), como circo, trampolim acrobático, vôlei de praia, futebol americano e dança. 

Calmaria e adrenalina. No leste da ilha, dilua o excesso de urbanização na trilha da Costa da Lagoa, com saída do Canto dos Araçás. O caminho, quase sempre plano e refrescado por sombras e riachos, em uma hora e meia faz chegar ao maior aglomerado de restaurantes, o centrinho da Costa, um vilarejo de origem açoriana. De barco, são 45 minutos a partir da pontezinha da Lagoa da Conceição (trajeto feito pela Cooperbarco) ou 10 minutos desde o Rio Vermelho (percurso operado pela Coopercosta). 

A própria Lagoa concentra outros programas ótimos para os jovens. A ProNáutica (pronautica.com.br) tem experiências “adrenalizantes” como flyboard, wakesurfe e suas variações, que, em geral, podem ser praticados por quem tem mais de 14 anos. Profissionais sobem a 15 metros com o flyboard, mas o empresário do setor Marcelo Tchello Brandão explica que a atividade é segura para os mais novos, lançados a não mais do que dois metros de altura. E, para curtir a serenidade do stand up paddle (SUP), há pelo menos três escolas na Avenida das Rendeiras, também na Lagoa. 

Para deslizar pelas dunas numa prancha de sandboard, o endereço é a Praia da Joaquina. Se a vontade é surfar, o mar da Barra da Lagoa é ideal, e a escola Evandro dos Santos, a referência. Depois, aja como um ilhéu saudável no Paçaí (a caminho da Barra) e no Só Açaí (próximo ao Campeche). Ou se jogue sem culpa n os sorvetes da Max Gelateria, no centrinho da Lagoa.

Nas praias ao sul, o negócio é o relax puro. E tenha horas de areia macia, mergulhos diáfanos e lanches roubados por quatis na Ilha do Campeche. 

Mar e piscina. Floripa sempre dá praia – e mergulho, como o que a empresa Água Viva (aguavivamergulho.com.br) realiza na Ilha do Arvoredo, o qual pode ser feito a partir dos 10 anos. Mas não é pecado levar os filhos para descer em toboáguas e rampas em meio à mata nativa no Água Show Park (aguashowpark.com.br), a caminho da Praia dos Ingleses. Também no norte, o Jurerê Sports Center, Jusc (bit.ly/jusc-sc) oferece várias atividades para os adolescentes. 

Esticadas. Fora das praias – e de graça –, há a pista de skate de 1.400 metros quadrados da Costeira do Pirajubaé e a possibilidade de grunhir feito Guga Kuerten nas quadras da Federação Catarinense de Tênis, na Avenida Beira-Mar. Também é boa ideia esticar a Balneário Camboriú, a 70 quilômetros da cidade, para visitar o Parque Unipraias e seus trenós que serpenteiam as montanhas – a apenas meia hora dali, chega-se ao Parque Beto Carrero. Já a 40 quilômetros a sudeste de Floripa está o Plaza Caldas da Imperatriz & Spa, com uma extensa programação para os mais novos e, ufa, sossego para os pais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.