Roberto Castro/MTur
Roberto Castro/MTur

Gastronomia

Vai ser difícil se manter em forma depois de provar as iguarias locais

O Estado de S.Paulo

22 Maio 2018 | 03h30

Prepare o seu melhor tênis de corrida para entrar em forma novamente, pois vai ser difícil você não sair apaixonado pela culinária local sem ao menos desabotoar os botões da bermuda. Foi no Mercado do Peixe de São Luís que fomos apresentados à chef de cozinha Ana Lula, conhecida como Juja. Enquanto pegava um peixe enorme ou levantava uma lagosta para posar para as fotos, ela abria um sorriso enorme – e nos enriquecia com seus conhecimentos gastronômicos.

Dali, fomos juntos à Casa de Juja, sua própria (e charmosa) casa que foi transformada em ateliê gastronômico, onde o único cômodo que não é utilizado para servir os clientes é seu próprio quarto. 

Uma experiência única. A casa lindamente decorada exalava boas energias – e, logo, um aroma delicioso vindo da cozinha. De entrada, porção de vatapá e paçoca de camarão, bolinhos de macaxeira e bacalhau, pata de caranguejo empanada. 

Ana Lula apresenta seus pratos com a paixão de quem ama o que faz, afirmando que está sempre em busca de mais inspirações e novidades. Antes de partir para os pratos principais, nos mostrou como é preparado o típico arroz de cuxá, que leva uma variedade enorme de temperos, além de camarão e farinha de mandioca. Além dele, tortas de camarão e caranguejo caldeira de camarão e lagosta, salmão com ervilhas. 

Mas sempre há espaço para sobremesa. Pequenas porções de creme de bacuri (fruta muito presente na culinária local), creme de cupuaçu, doces de figo, caju e jaca, brigadeiro gourmet, cocada, doce de leite e goiabada. Para ter uma experiência como essa, saiba que é preciso reservar horário com antecedência. O custo é de aproximadamente R$ 100 por pessoa. 

A Casa de Juja é o ponto alto de uma imersão gastronômica na cidade, mas há outros cantinhos saborosos para se fartar no dia a dia. O Cafofinho da Tia Dica, no centro da cidade, oferece caldeirada e uma grande variedade de peixes que harmonizam perfeitamente com a caipirinha de bacuri. Os pratos são muito bem servidos, e custam de R$ 50 a R$ 60.

Beira-mar

O Cabana do Sol tem várias filiais por São Luís. Fomos na unidade em frente à Praia do Calhau, onde fui apresentado a viciantes pasteizinhos de carne com geleia de pimenta. A especialidade ali é a carne de sol, vendida para servir duas pessoas, mas poderia abastecer uma família inteira e mais um vizinho. 

Um pequeno e importante detalhe é que a carne de sol é servida com uma garrafa de manteiga aquecida, que é dosada por você mesmo – tente manter a maturidade, eu não consegui. Os pratos custam de R$ 55 a R$ 85.

Custo-benefício

No segundo dia de viagem almoçamos no Senac Maranhão, opção de alta gastronomia por preço baixo:  come-se à vontade por R$ 42 por pessoa, exceto às sextas e domingos, quando o custo é de R$ 55. Dica: reserve a mesa no fim de semana. 

Entre os pratos de destaque, arroz do mar (com lula, polvo, camarão e lagosta), patinhas de caranguejo, paella, caldeirada de camarão e peixes variados. Prove à vontade e repita o seu favorito. Não esqueça que a sobremesa também está incluída – guarde espaço para  o bolo de chocolate com creme de bacuri.

Mais conteúdo sobre:
São Luís [MA] restaurante

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.