Karla Spotorno/Estadão
Karla Spotorno/Estadão

Gastronomia: capricho à mesa

Vocação multicultural de Toronto se expressa na variedade de culinárias do mundo todo. Se quiser uma receita tipicamente local, experimente uma poutine

Karla Spotorno, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2019 | 04h50

Toronto é uma verdadeira Disneylândia gastronômica, tamanha a variedade de opções. Embora, à primeira vista, não pareça. Afinal, sempre que eu perguntava o que deveria comer ouvia como resposta “poutine”. Na maioria das versões, trata-se de um punhado de batatas fritas cobertas com um molho marrom à base de carne que, por sua vez, é coberto de queijo. Para o guia turístico e gourmand Jusep Sim, da Chopsticks+Forks, o melhor de Toronto é o da Moo Frites (6,65 dólares canadenses ou R$ 18,50), no imperdível Kensington Market.

Apesar de o nome sugerir um mercado, o Kensington Market é um bairro cheio de restaurantes do mundo todo, padarias com ou sem glúten, armazéns e cafeterias. Na mesma quadra há bolinhos (dumplings) tibetanos e empanadas chilenas, espetinhos de bacon de pato (típico dos povos indígenas do Canadá) e sanduíches montados em bagels, feitos a partir de uma legítima receita judaico-polonesa. 

Descobri esses e outros lugares com o sorridente Jusep Sim, que guia os turistas pelas ruas do bairro em um dos passeios a pé de sua agência (chopsticksandforks.com). Reserve com alguma antecedência (custa 79 dólares canadenses ou R$ 219,20) e vá com fome.

Mas dá para explorar o bairro por conta própria. A avenida Augusta é a principal rua do bairro e, como a homônima da capital paulista, tem uma aura de juventude, criatividade e uma heterogeneidade que lembra os tempos em que os hippies moraram por ali. Como contou o guia sul-coreano, o grande diferencial da cena gastronômica em Toronto é exatamente essa mistura e diversidade. 

St. Lawrence Market 

Esse sim é um mercado, que funciona desde 1803 e tem cerca de 120 estabelecimentos. Divirta os olhos e o paladar com frutas vermelhas belíssimas ou com iguarias como os vegetais desidratados – tem até quiabo – frutos do mar, doces, pães. O mercado também abriga lojas de vinhos e artesanato mas, se você come carne, vai ter a chance de descobrir o verdadeiro lombo canadense. 

Esqueça a pizza de lombo canadense ou os frios do supermercado. Na Carousel Bakery você vai conhecer o Peameal Bacon, um pedaço suculento de carne do lombo do porco, bem menos gorduroso que o bacon tradicional, servido em um pão fofo. O sanduíche leva cerca de 160 gramas de carne e custa 6,45 dólares canadenses (R$ 18). Também vale a pena o Breakfast on Bun, que leva queijo, ovo e 70 gramas do tal bacon (5,90 dólares canadenses ou R$ 16,40). Qualquer um dos dois a mim serviu como um bom almoço. 

Sobremesa

O tradicional maple syrup está em várias receitas – como nas tortinhas de vários sabores da Butter Baker (4,95 dólares canadenses ou R$ 13,75), confeitaria na Dundas Street. Se você ama café, peça dois espressos duplos junto com seu doce. O café normal no Canadá é igual ao americano (leia-se: aguado) e o expresso não passa de um mísero ristretto. Num gole acaba tudo.

Se o tempo for curto, entre em qualquer Tim Hortons, rede de cafeterias onipresente em Toronto. O bolinho de cenoura é de comer agradecendo e o cookie de baunilha com gotas de chocolate, ótimo para levar de lanche.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.