Gabriela Biló/ Estadão
Gabriela Biló/ Estadão

Ghent

Idas e vindas do ‘Cordeiro Místico'

Mônica Nobrega, Haia

15 Maio 2018 | 03h06

A partir do momento em que pisar na zona do euro, guarde o troco. Especificamente quando vier na forma de moedas de 1 euro. Elas serão necessárias na Catedral de São Bavo, onde fica a obra de arte mais cheia de história para contar deste roteiro: A Adoração do Cordeiro Místico

O políptico formado por 24 painéis foi encomendado aos irmãos Van Eyck pelo comerciante Joos Vijdt para decorar a capela particular de sua mulher, Lysbette Borluut, na igreja que então era consagrada a São João Batista. Como pagadores da conta, o casal teve direito a aparecer na pintura, que demorou 12 anos para ficar pronta. O Van Eyck mais velho, Hubert, começou a obra, que foi concluída pelo caçula, Jan

Os Van Eyck estão entre os nomes mais importantes da pintura primitiva flamenga. O Cordeiro Místico, também conhecido como Retábulo de Ghent, tornou-se, ao longo dos séculos, uma das obras mais cobiçadas do mundo. Teve seus painéis roubados seguidas vezes, com Napoleão Bonaparte e Hitler entre os ladrões. O filme Caçadores de Obras-Primas (2014), com George Clooney, conta a parte nazista desta história.

O Retábulo permaneceu retalhado entre Londres, Berlim e Bruxelas até que tudo foi recuperado e retornado a Ghent em 1920. Mas um novo roubo, em 1934, subtraiu do conjunto o painel Os Juízes Íntegros. Um sacristão da catedral, no leito de morte, teria confessado ser este último ladrão – e morreu sem contar o paradeiro da tela, que não reapareceu até hoje. 

Restauração. Quanto ao resto, o Retábulo está sendo restaurado desde 2012 no Instituto Real do Patrimônio Artístico, que fica no Museu de Belas Artes de Ghent. O público pode ver os restauradores trabalhando atrás de um vidro, e só por isso já vale muito ir ao museu. É hipnotizante observar o quanto o trabalho é absurdamente minucioso. A restauração completa será entregue em 2020, definido como Ano Van Eyck em Ghent, quando o Cordeiro Místico voltará à Catedral de São Bavo. 

Então voltemos também à Catedral e às moedas de 1 euro. Elas serão necessárias para admirar a réplica d’A Adoração do Cordeiro Místico, que ocupa o lugar da original na tal capela da senhora Borluut e tem o mesmo tamanho do políptico real: 5,20 metros de largura por 3,75 de altura. Coloca-se a moeda na máquina, a luz acende por um tempinho. Você decide que não viu tudo, coloca outra. Nessa, gastamos uns 6 euros.

Veja também em Ghent

Korenmarkt 

Praças centrais com arquitetura linda de cair o queixo são encontradas em várias cidades belgas, mas a de Ghent tem um motivo a mais para ser visitada. Ela é o endereço de dois carrinhos que vendem o doce mais tradicional da cidade: o cuberdon (ou rode neuzen, ou ainda red nose). O “nariz de Ghent” é como uma bala de goma maiorzinha, recheada e muito, muito doce.

 

Castelo de Gravensteen 

O Castelo dos Condes de Ghent é uma fortaleza medieval bem no centro da cidade cuja construção começou no século 10. Hoje, abriga um museu com objetos de época dos exércitos locais e outros itens.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.