Ricardo Freire|Estadão
Ricardo Freire|Estadão

Ghent, a boa da Bélgica

Pequenina e espremida entre a França e a Holanda, a Bélgica parece que foi posta no mapa só para uma escala no seu tour europeu. Muita gente não resiste a dar uma paradinha – afinal, bastam poucas horas em Bruxelas, entre um trem e outro, para que a lista de países visitados na viagem ganhe mais um nome. O grande ímã de brasileiros, no entanto, é Bruges, uma cidadezinha medieval encantadora, cortada por canais e com ruas percorridas por charretes. Muita gente vem de longe só para fazer um bate-volta – de Paris ou de Amsterdã, são 3 horas para ir, 3 para voltar. 

Ricardo Freire, O Estado de S.Paulo

07 Junho 2016 | 02h49

Caso você tenha mais do que algumas horas disponíveis para investir na Bélgica, permita-me sugerir uma cidade que não costuma estar nos roteiros convencionais: Ghent. A meio caminho entre Bruxelas e Bruges – em meia hora de trem você chega a qualquer das duas – e a 1 hora de Antuérpia, Ghent é a cidade mais bem situada para servir de base para explorar a Bélgica. 

Dá para passar um dia em Bruxelas e outro em Bruges sem se preocupar com troca de hotéis ou malas. Antuérpia, além de bate-volta, pode também ser um pit-stop a caminho de Amsterdã. Os trens belgas são baratos e descomplicados: as tarifas são fixas e as passagens podem ser compradas na hora, em máquinas de autoatendimento (com opção em inglês) ou guichês operados por funcionários. A passagem de ida de Ghent a Bruges custa 6,60 euros; a Bruxelas, 9 euros; à Antuérpia, 9,50 euros. Nos fins de semana, a tarifa ida e volta custa um nadinha mais caro que a ida. 

Os hotéis em Ghent são menos caros do que os de Bruges. E para quem não está em viagem de lua de mel, Ghent é bem mais interessante à noite do que a vizinha mais famosa – graças a seus 40 mil estudantes universitários, que mantêm a cidade viva e sem ranço turístico. A muvuca é garantida nas ruas e bares do entorno da praça Korenmarkt.

Mas não pense que Ghent é uma cidade só para agitar e dormir. Apesar de não ser tão fofa quanto Bruges (deve ser a falta das charretes...), Ghent também é cortada por canais e tem um centro histórico que impressiona. Comece seu passeio visitando a fortaleza Gravensteen (um castelo no meio da cidade!), depois passe o entroncamento de dois canais e continue até a igreja de São Nicolau e a praça Korenmarkt. A partir daí, o melhor é se perder pelas ruelas.

O centro histórico está a 20 minutos de bonde da estação Gent Sint-Pieters. Confira os preços do Novotel Gent Centrum, do NH Gent Belfort e do Best Western Cour St.-Georges.

Mais conteúdo sobre:
Ricardo Freire Bélgica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.