Arte/Estadão
Arte/Estadão

'God save the queen!'

Well, my friends: I beg your pardon, mas hoje não vou responder a nenhuma carta. Quero contar-lhes um pouco de minha querida soberana e amiga queen Elizabeth II, que, nesta quarta, tornar-se-á a rainha mais longeva da história britânica, ao completar 63 anos e 7 meses de reinado, ultrapassando o recorde de queen Victoria no século 19.

Mr. Miles, O Estado de S. Paulo

08 Setembro 2015 | 00h00

Elizabeth, as you know, é uma velha e querida amiga a quem, todos os anos, em 21 de abril, presenteio com uma rara rosa colombiana que, I humbly say, ela adora. 

Não pretendo falar aqui de seus 89 anos de vida, que são indecentemente narrados todos os dias por tabloides, canais de televisão e veículos de fofoca. Não quero, as well, repisar o fato de que ela é uma monarca carismática, que já deu posse a 12 primeiros-ministros, desde Winston (N.da R.: Winston Churchill, estadista e Prêmio Nobel de Literatura) até Cameron. Nem exagerar nos números. Não acho de bom tom contar, for instance, que desde sua posse, em 1952, ela concedeu mais de 405 mil prêmios e honrarias (inclusive aos Beatles), recebeu 4 milhões de cartas, mandou 175 mil telegramas comemorando o centésimo aniversário de alguns de seus súditos e outros 540 mil para casais que – como ela e o príncipe Philip –, já comemoraram as bodas de diamante. 

Não vou repetir que Her Majesty é sorridente, serena, bem-humorada – e pode ser cáustica quando não gosta de alguém da família, o que, unfortunately, ocorreu com Lady Diana.

O que me importa, como cidadão do mundo, é lembrar que a rainha é, indeed, uma grande viajante. Apenas durante o seu reinado, ela fez 91 visitas oficiais e esteve em 116 países diferentes (a reportagem das páginas 6 e 7 contam mais sobre o tema). Uma única vez no Brasil – which is a shame –, mas 24 no Canadá, 16 na Austrália, dez vezes na Nova Zelândia e seis na Jamaica. Mais que isso: numa prova de sua elevadíssima majestade, nossa rainha fala francês fluentemente (diz-se que, well, um pouco melhor do que o presidente François Hollande), apesar de nossa rivalidade ancestral e figadal.

LEIA MAIS: Elizabeth já esteve com Pelé em sua viagem ao Brasil

Também não se pode, usually, duvidar da beleza do caráter de uma apreciadora de animais do jaez de Elizabeth II. Como todos sabem, a rainha adora corgies, seus cães de estimação prediletos. Tive o prazer de escolher, em uma ótima ninhada, a brilhante Suzan, primeira cadela que ela ganhou, aos 18 anos. Desde então, nossa soberana teve 30 corgies para alegrá-la, dos quais restaram apenas dois: Holly e Willow, ambos bons companheiros de minha mascote Trashie, exceto pelo fato de que preferem chá de jasmin a single malts.

É fundamental dizer que, em seus mais de 60 anos de cetro e coroa, nossa rainha recebeu centenas de animais como presentes de chefes de Estado ou seus representantes. Inclusive duas onças brasileiras que, unfortunately, ela foi obrigada a encaminhar ao zoo de Londres, já que suas carícias eram um tanto, digamos, ríspidas. Aposto que você não sabia, as well, que nossa majestade é proprietária de 88 cisnes que singram as águas do Rio Tâmisa. I’m sorry to say, não vai ser fácil reconhecê-los, porque eles não usam adereços reais. Mas saiba que há um acompanhante real que os observa, todos os dias, das margens do rio. Uma tradição, by the way, que remonta ao século 12. 

Minha querida monarca estava no Quênia, no hotel Treetops, dentro de Aberdare National Park, quando seu pai faleceu, em 1952. Trata-se de um antigo hotel, onde os hóspedes sobem à altura da copa das árvores para observar os animais selvagens que se aproximam. O Treetops orgulha-se, até hoje, de que Elizabeth II subiu ao hotel como princesa e dele desceu como rainha. De fato, uma insólita honraria. Desde 2010, assim como eu, a rainha tem sua própria página no Facebook, chamada British Monarchy. Nela é possível encontrar notícias da realeza – assim como em seu Twitter, de 2009. É claro que, oficialmente, não é ela que escreve ou responde suas mensagens. However, ela me confidenciou que, sometimes, dedilha pessoalmente algumas notas, apenas como um toque de humor.

Há milhares de outras informações que eu gostaria de mencionar nessa data especial. Desde a silly thing, como contar que nossa soberana é a única cidadã britânica autorizada a dirigir sem carta de habilitação e mesmo sem placas de identificação (o que a torna ligeiramente perigosa quando conduz, I presume) ou a simples constatação de que seu delightful power está acima de qualquer intriga política. E aos que teimam em duvidar de minha idade, tenho o prazer de dizer que venho da mesma cepa de nossa soberana.

God save the queen, my friends! 

MR. MILES É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO. ELE ESTEVE EM 183 PAÍSES E  16 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS.

Mais conteúdo sobre:
Mr Miles

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.