Goethe e 16 museus

O principal hub da Alemanha, onde passageiros da Lufthansa (lufthansa.com) fazem conexões - a parada, na ida ou na volta, pode sair de graça ou, no máximo, 75, de acordo com trecho voado e classe do bilhete -, fica em uma cidade pouco divulgada turisticamente. Mas Frankfurt, coração financeiro do país, mais procurada por viajantes a negócios, tem seu charme.

O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2011 | 03h07

Por € 2,30 você vai de trem, do aeroporto ao centro da cidade, em 25 minutos. Desça perto da Igreja de São Paulo (Paulskirche) e já aproveite para visitar o lugar, cheio de significado histórico: foi lá que se reuniu o primeiro parlamento alemão eleito por voto livre, em 1848.

As distâncias são curtas e os principais pontos de interesse da cidade estão a uma caminhada de poucos minutos uns dos outros. A casa de Goethe (goethehaus-frankfurt.de), onde nasceu o mais celebrado escritor do país, oferece insights sobre o estilo de vida da classe média-alta na Alemanha do século 18. Junto com a Praça Römerberg e a antiga sede da prefeitura, conhecida como Römer (foto), forma o coração da parte antiga.

Para quem dispensa os pontos turísticos básicos ou já esteve antes na cidade, um giro pelo bairro de Sachsenhausen é uma oportunidade incomparável. Ali existem 16 museus que foram restaurados ou totalmente construídos por arquitetos renomados entre os anos de 1980 e 1990. O Instituto de Arte Städel (staedelmuseum.de/sm), o Museu de Filmes da Alemanha (deutsches-filminstitut.de/filmmuseum) e o de Artes Aplicadas (angewandtekunst-frankfurt.de) devem fazer parte da lista de lugares para ver.

Erguida no século 19, a Alte Oper Concert Hall (opera-restauration.de) recebe grandes concertos tanto de música erudita como de rock e pop - e até sessões de stand-up comedy.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.