Gosto de história

Ruínas romanas, muralhas muçulmanas, vilarejos de pedra. Entre as visitas aos pueblos de Extremadura, prepare-se para longas e saborosas refeições

Camila Anauate, O Estado de S.Paulo

16 Novembro 2010 | 00h46

 

 

 

Cruzar milênios pela ponte romana sobre o Rio Guadiana e saborear um almoço no qual o presunto ibérico pata negra é só o aperitivo causam absolutamente o mesmo furor. E deixam você muito mal acostumado. Porque enquanto se perde nos pueblos - e no tempo - de Extremadura, espera ansiosamente a próxima refeição.

A viagem é toda assim. Prazeres simples. Históricos. De uma ponta à outra dessa região espanhola na fronteira com Portugal, você vai seguir passos imperiais. Atravessar muralhas, invadir palácios. Vai degustar tudo o que a terra dá.

 

Veja também:

linkBeleza medieval entre muralhas e torres

linkHoras de dedicação ao pecado da gula. E à merecida e sagrada siesta

 

A estrada leva primeiro à capital, Mérida. Ou Emérita Augusta, voltando a 25 a.C. Nesse trecho à beira do Guadiana, Octávio Augusto fundou um importante núcleo econômico, militar e cultural do seu império. A vila começou com a ponte. Essa mesmo que você pisa agora. Incrédulo e admirado.

A caminhada pela belíssima estrutura, que esparrama seus arcos por 800 metros, desperta reações diversas. É tudo pedra. É resistente. Ainda forma um cenário incrível com as ilhas naturais e as águas claras do rio. E até com a ponte de ferro à la Santiago Calatrava que aparece ao fundo, fora de foco, é verdade. Ela foi construída em 1993 para tirar da original o peso da modernidade. No fim da ponte, outro assombro: ruínas do fórum romano e vestígios da fortaleza militar muçulmana do século 9.

Já no centro, construções modernas contam a passagem do tempo. A Plaza España de palmeiras e casinhas é o espelho das praças sul-americanas. Entre ruas comerciais e restaurantes, de repente surgem as colunas do Templo de Diana.

Então dá para entender por que Mérida foi declarada Patrimônio da Humanidade. Antes mesmo de ficar sem ar diante dos bem guardados anfiteatro e teatro romanos. É hora de sentar, explorar, deixar a imaginação tomar conta.

No anfiteatro, gladiadores e animais selvagens lutavam diante de 14 mil pessoas. O teatro, em forma de semicírculo, é ainda mais impressionante com suas colunas sobrepostas. Tudo o que foi descoberto com as escavações está no Museu Nacional de Arte Romana, bem ali do lado. O museu é espetacular. Todo de tijolos e com iluminação natural, guarda 50 mil peças decorativas, estátuas, templos, colunas...

Quando você pensa que viu de tudo, surpreende-se à saída da cidade. O Aqueduto dos Milagros acompanha a estrada por 830 metros. O carro segue entre oliveiras e castanheiras, a boca enche d"água e o pensamento viaja até milênios atrás. Com a herança romana, à espera da próxima refeição.

 

 

 

 

 

 

 

 

BATE-VOLTA

Badajoz

Bem na fronteira com Portugal, é a cidade mais populosa de toda a Extremadura e única que tem aeroporto. Também exibe pelas ruas monumentos históricos. Destaque para a Plaza Mayor (foto) e para a Alcazaba, ou fortaleza militar, excelente exemplar da arquitetura muçulmana. A catedral do século 13 vale a visita. Informações: turismo.badajoz.es

Jerez de los Caballeros

Capital da Ordem do Templo, Jerez ficou mais conhecida por ser um importante polo de criação de porcos ibéricos. Não à toa, está na rota do jamón e realiza sempre em maio a feira do jamón. Informações: turismo.jerezcaballeros.es

Malpartida de Cáceres

Na vila a 14 quilômetros de Cáceres está o Museo Vostell, com obras do artista alemão Wolf Vostell. Ele usa objetos cotidianos como carros destruídos e motos para questionar a modernidade. Entrada: 2 Euros;

museovostell.org

O que levar

Carteira de habilitação

A melhor - e mais agradável - maneira de explorar a região é de carro. A CNH brasileira é aceita na Espanha, mas vale fazer a Permissão

Internacional para Dirigir (PID), emitida pelo Detran. Informações: www.detran.sp.gov.br

Mala vazia

Por mais que você se controle, vai precisar de espaço extra para trazer na bagagem os deliciosos produtos típicos. Ah, prepare-se para ganhar quilos

O que trazer

Pimentón La Vera

A latinha de pimentão vermelho em pó custa menos de 1 Euro

Vinhos

Com denominação de origem Ribera del Guadiana e uvas como cabernet sauvignon e tempranillo. Há bons rótulos desde 8 Euros; riberadelguadiana.eu

Doces artesanais

As freiras do Convento de San Pablo, em Cáceres, vendem biscoitos e bolos. Os corações de amêndoa saem a 24 Euros o quilo

Saiba mais

Como chegar: o trecho SP-Madri-SP custa a partir de R$ 1.478 na Iberia (iberia.com/br) e de R$ 1.673 na TAM (tam.com.br). De Madri a Mérida, são 340 km pela Rodovia A-5. Já a viagem de trem (www.renfe.es) dura cerca de 5 horas e custa 36,80 Euros

Visitas: a entrada para o Teatro e o Anfiteatro romanos em Mérida custa 8 Euros. Site: www.consorciomerida.org. Já o Museu Nacional de Arte Romana cobra 3 Euros. Site:  museoarteromano.mcu.es.

Em Cuacos de Yuste, o ingresso do Monastério de Yuste sai por 2,50 Euros. Mais informações: patrimonionacional.es

Internet: o site do Escritório de Turismo de Extremadura (turiex.com) reúne informações detalhadas sobre toda a região, divididas por temas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.