Mônica Nobrega/Estadão
Mônica Nobrega/Estadão

Grafite 'made in Brazil' colore entorno do coração financeiro

É às margens dos cursos d'água que a permeiam que Boston mostra seu maior patrimônio turístico. São vários quilômetros à beira do Rio Charles e de frente para o mar com calçadões, píeres e atrações.

BOSTON, O Estado de S.Paulo

24 Setembro 2013 | 02h18

No entorno do canal Fort Point está o que há de mais novo. Antes de chegar ali, uma passada no vizinho Distrito Financeiro com objetivo específico: ver o mural pintado pela dupla de grafiteiros brasileiros Osgemeos na Praça Dewey, que abriga uma feira de produtores às terças e quintas-feiras (de maio a novembro) e um laboratório de jardinagem urbana impecável.

Pela Summer Street, o Fort Point começa logo adiante. Dois bons museus estão ali: o das crianças (bostonchildrensmuseum.org; US$ 14) e o Tea Party, que conta a história da revolta dos colonos que, em 1773, invadiram navios da coroa inglesa e jogaram ao mar carregamentos de chá. O episódio foi decisivo para desencadear a luta pela independência (bostonteapartyship.com; US$ 25).

Perto está o porto de pesca, mas não é por causa dele que se deve seguir pelo Seaport Boulevard sentido leste, e sim para ocupar uma das mesas ao ar livre sobre um deque de madeira do Legal Harborside (legalseafoods.com). O lobster roll, sanduíche de lagosta com maionese que está para Boston assim como o hot-dog para Nova York, custa em média US$ 20.

Em direção ao norte a partir de Fort Point, o ótimo Aquário New England (neaq.org; desde US$ 24,95) fica no Central Wharf. A turma de bichos curiosos é grande: tubarão-martelo, polvo gigante do Pacífico, pinguins, anaconda...

O parque Christopher Columbus é para descansar em bancos à sombra, de frente para o mar e com Wi-Fi gratuito - a hora de postar fotos, portanto. Ao lado, no restaurante Joe's American (joesamerican.com), fui de hambúrguer com batata frita (US$ 11). Dos bons.

Mas confesso que cheguei ali vinda de um passeio não pelos calçadões, mas pelo bairro de North End. Uma deliciosa vizinhança de predinhos de tijolo vermelho, ruas estreitíssimas e restaurantes italianos - ótimo para explorar de bicicleta, como você lê abaixo. / M.N.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.