Mônica Manir/Estadão
Mônica Manir/Estadão

Heranças e sabores

Os encantos de Bo-Kaap, um bairro de inúmeras influências

Mônica Manir/Cidade do Cabo, O Estado de S. Paulo

06 Dezembro 2016 | 04h30

Entrei em Bo-Kaap pelo mosaico de casas coloridas, e isso já é meio caminho andado para sentir que vale passar mais tempo nesse bairro de origem sui generis: muitos ali são descendentes dos escravos da Malásia, Indonésia e África, importados pelos holandeses durante os séculos 17 e 18. Pela vestimenta dos moradores, é possível perceber que domina ali a religião muçulmana, e não muito longe se avista a Auwal, primeira mesquita oficial da África do Sul. Foi fundada pelo imã Abdulla ibn Abd al-Sallaam, conhecido por seu ativismo.

Quem quiser mergulhar na história local tem terreno fértil no Museu Bo-Kaap, aberto de segunda a sábado, das 10h às 17h. Adultos pagam 20 rands (R$ 5). O prédio fica na mais antiga casa da região. 

A comida (ah, a comida) é fonte de prazer em Bo-Kaap. Se deseja experimentar a autêntica gastronomia malaia, estique as canelas até o Kombuis. Fica no alto da August Street. Ainda que chegue suando, você logo se refrescará com a acolhida do casal Yusuf e Nazli Larney, que recheiam seu prato de histórias (Yusuf, especialmente). Nazli pilota a cozinha. Ela oferece, entre tantos pratos, denningvleis (cubos de cordeiro assados com legumes e pasta de tamarindo). 

Com um pouco mais de tempo disponível, há um tour que sai do museu e que orienta os turistas na compra de ingredientes que eles usarão no próprio almoço, como gengibre, coentro, cardamomo e canela. O workshop ocorre na casa de um morador, que ensina a fazer samoosas e um curry original. O tour se chama Cape Malay Cooking Safari. Mais detalhes no site da companhia

A vista do Kombuis é panorâmica, mas dela não dá para distinguir o Noon Gun, canhão que dispara ao meio-dia de segunda a sábado, desde que nenhum desses dias seja feriado. O canhão tem uma história que vale conhecer. Adianto que na verdade são dois canhões. E que um cavalo já foi morto por um dos disparos. Chegue lá às 11h15 e saberá todos os detalhes. 

Mais conteúdo sobre:
África do Sul África África do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.