Hoboken: vida além de Manhattan

Com ruas tranquilas, fica até difícil dizer que a cidade fica a apenas 10 minutos do caos de Nova York

Natália Zonta, O Estado de S.Paulo

06 Janeiro 2009 | 03h00

Na outra margem. Ainda há quem torça o nariz e alimente uma pontinha de preconceito contra as cidades que ficam do outro lado do Rio Hudson, que separa Nova York de Nova Jersey. Imagine só que alguns nova-iorquinos "da gema" chegam a classificá-las como provincianas, sem nada a oferecer . Bobagem. Principalmente quando a cidade em questão é Hoboken, que consegue provar com êxito que existe, sim, vida fora de Manhattan. Bem perto. E para visitar esse pedaço de Jersey não é preciso abrir mão das atrações da Big Apple, ou vice-versa. Um roteiro combinado é o ideal, mesmo porque as duas cidades ficam coladas, a menos de 10 minutos de viagem de trem. A sugestão é ir a Hoboken no mesmo dia em que escolher visitar o local onde ficava o World Trade Center e fazer compras na Century 21, a melhor loja de descontos de Nova York. Bem ao lado dessas duas atrações está a estação WTC do Path, trem que faz a ligação entre os dois Estados e de onde partem os vagões que seguem para Hoboken. A passagem custa módicos US$ 1,50 (R$ 3,57). Silhueta. Ao descer da estação é difícil acreditar que essa pequena cidade fica a apenas 10 minutos do caos de Nova York. Ruas tranquilas, gente passeando com o cachorro e raros turistas exibindo sorrisos satisfeitos por descobrirem o local. A felicidade é ainda maior ao chegar perto do píer, onde ficam bares animados à beira do Rio Hudson, com vista para o skyline de Manhattan. Sem dúvida, Hoboken é o melhor lugar para clicar a silhueta de Nova York. O Empire State, por exemplo, surge no alto, contornado por nuvens, e outros prédios da região parecem autênticas obras de arte da engenharia moderna. Solteiros. A bela paisagem foi combinada aos muitos restaurantes, bares, baladas e também às boas opções de moradia - viver em Hoboken é bem mais barato que morar em Nova York. Esses elementos fizeram a cidade ser classificada pela rede de TV CNN como a melhor cidade americana para solteiros com mais de 30 anos. E os avulsos sabem muito bem disso. Dos 42.600 habitantes de Hoboken, 57,2% não são casados. À noite, a paquera rola solta e, durante o verão, os festivais promovidos pela prefeitura ficam lotados de gente bonita e interessante. Boa mesa. No quesito gastronomia, a cidade também não deixa a desejar. E há um lugar que precisa entrar no roteiro do visitante que quer se esbaldar. O restaurante Los Charritos (1024, Washington Street; www.loscharritos.com) serve pratos fartos e deliciosos da cozinha mexicana. No local só trabalham mexicanos - isso inclui o chef - e tudo é bem temperado e fresco. Peça o guacamole (US$ 9,95 ou R$ 23), amassado na mesa do freguês. O único cuidado necessário por lá é ser comedido na hora de fazer os pedidos. Apesar de dar vontade de provar tudo do cardápio, o melhor é ir com calma e até dispensar a entrada: os pratos são enormes e somente alguém com muita fome consegue terminá-los sem esforço. The Voice. Mais um detalhe relevante sobre Hoboken: apesar de Frank Sinatra ter cantado New York, New York por anos, foi nessa cidade de Nova Jersey que o dono dos famosos olhos azuis nasceu e deu seus primeiros passos. Apesar de quase nunca ser lembrada em sua biografia, Hoboken homenageou o cantor dando seu nome ao mais belo parque da região. A área verde fica à margem do Hudson, de frente para sua amada Big Apple.

Mais conteúdo sobre:
Hoboken Frank Sinatra Nova York

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.