Homofobia para viagem

Envie sua pergunta para viagem.estado@estadao.com

Adriana Moreira, O Estado de S. Paulo

26 Setembro 2017 | 03h00

Viajar em casal é uma delícia: passear de mãos dadas, abraçar ou beijar o companheiro (a) naquela paisagem de sonho, dormir agarradinho no num hotel maravilhoso... Mas viajar solteira (0) também é uma delícia. Encontrar um amor de verão, paquerar em outro idioma e voltar para casa cheia de boas lembranças e histórias para contar. Que delícia.

No entanto, algo tão corriqueiro pode ser um problemão para homossexuais, dependendo do destino escolhido. Em pleno 2017, homossexualidade é crime em mais de 70 países, de acordo com relatório publicado este ano pela Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Homossexuais, Bissexuais, Transexuais e Intersexuais (ILGA) – em oito destes países, punido até com a morte.

Muitos deles são destinos turísticos clássicos, como a Índia, onde homens héteros andam de mãos dadas, mas ser gay pode render até 10 anos de prisão. No Irã, a Polícia dos Costumes anda à paisana e mesmo na Rússia, sede da próxima Copa do Mundo, fazer “propaganda gay” (ou seja, dar as mãos ou fazer um carinho em seu companheiro) pode render punições. O blog ViajaBi fez uma lista com os 20 países mais homofóbicos do mundo: bit.ly/viajabi.

No entanto, não é preciso deixar de viajar para seu destino dos sonhos por causa disso - tenho amigos que se aventuraram até pelo Irã sem ter tido quaisquer problemas. Mas vale ter alguns cuidados. 

Leia sobre o destino. Um viajante bem informado tem menos chances de cair em roubadas. Assim, informe-se sobre como se vestir e se comportar. “Qualquer viajante precisa respeitar os costumes do país que escolheu visitar”, diz o diretor no Brasil da Associação Internacional de Turismo Gay e Lésbico (IGLTA), Clóvis Casemiro. “O princípio é o mesmo para qualquer um.” Entre os muitos bons sites voltados ao público gay, o Estrangeira se destaca por trazer um olhar feminino às experiências. 

Agentes de viagem ajudam. No site da Associação Brasileira de Turismo LGBT (ABTLLGBT) há uma relação de empresas especializadas (bit.ly/turismolgbt), mas mesmo optando por uma operadora tradicional, é importante perguntar diretamente sobre cuidados necessários. Também é possível buscar receptivos especializados diretamente no destino pelo site da IGLTA: bit.ly/receptivoIGLTA.

Hotéis de cadeias internacionais são mais tolerantes. Em viagem a Dubai, Clóvis Casemiro disse ter visto vários casais homossexuais dentro de hotéis, desfrutando tranquilamente da piscina ou de um jantar a dois. “Normalmente, esses hotéis não vão se opor a um pedido de cama de casal para quem viaja com o parceiro”, explica. Segundo ele, mesmo em lugares como Ilhas Seychelles, de população majoritariamente muçulmana e leis bastante restritivas, muitos hotéis de luxo são como oásis, com programas especiais para casais homossexuais, incluindo cerimônias de casamento. 

Cuidado com aventuras. Um amigo com quem viajei pela Tunísia contou ter sido abordado por um grupo de rapazes no país, mas só entendeu que era algo relacionado à cena gay local quando eles já tinham ido embora. “Mesmo que tivesse percebido antes, não seria prudente acompanhá-los. Eu não iria”, confidenciou. Em alguns lugares, homossexuais são atraídos para serem roubados ou chantageados por locais que, a princípio, se mostram amigos e receptivos. Neste post (bit.ly/nomadicboysdelhi), o casal do Nomadic Boys conta sobre a tensão que passaram em uma festa gay em Nova Délhi, quando a polícia apareceu em busca de suborno. 

Apps amigos. Além dos sites já citados nesta coluna, não faltam apps com boas dicas. O MisterB&B é uma espécie de Airbnb gay, onde é possível alugar um quarto para curtir a cena local em 130 destinos pelo mundo – incluindo Nova Délhi, Bangcoc e Moscou. O Vespa e o Hornet (embora seja um app também de encontros) ajudam a encontrar os bares e festas locais. 

Mais conteúdo sobre:
HomossexualidadeViagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.