Hora de pular a fogueira no Nordeste

Na Bahia, o onipresente axé dá uma trégua, enquanto o bumba-meu-boi dita o ritmo no Maranhão

Natália Zonta e Aline Nunes, O Estado de S.Paulo

03 Junho 2008 | 03h15

Transformar os festejos juninos em megaeventos já virou tradição no Nordeste. Se Campina Grande (PB) e Caruaru (PE) se rivalizam para saber quem tem o maior São João, cidades menores encantam os turistas com seus costumes. E, neste ano, há uma boa novidade no universo dos arraiais. A Bahia começou a investir na divulgação de suas festas e pretende apostar na combinação quadrilha, forró, comida e... praia!     Veja também: Em Campina Grande, comida, forró e rivalidade Caruaru revida com atrações imperdíveis As ladeiras do Pelourinho, o Terreiro de Jesus e todas as praças do centro histórico serão invadidos por barracas e grupos de animados sanfoneiros. Até o onipresente axé vai dar espaço aos ritmos mais tradicionais do Nordeste - com direito a competição de quadrilha em Salvador. Porto Seguro, um dos points do Carnaval, Ilhéus e Lençóis, na Chapada Diamantina, também terão programação especial para este mês. No total, cerca de R$ 10 milhões serão investidos nas festas. Na capital, as datas já foram definidas: 13, 14, 20 e 21 de junho estão reservados para os festejos. Será o São João no Pelô, com direito a show de Daniela Mercury. Mas, calma, ela não vai cantar seus clássicos. Nessa festa, só o forró será permitido. A cantora vai estender sua temporada junina para Porto Seguro (22) e Ilhéus (23). Todas as apresentações serão de graça. ''Precisamos de um grande nome para atrair os turistas, mas em todos os eventos teremos forrozeiros bem tradicionais'', conta Emília Salvador Silva, presidente da Bahiatursa, empresa de turismo no Estado. A retomada dos investimentos nos festejos juninos da Bahia vem acompanhada de um propósito bem claro: elevar a taxa de ocupação dos hotéis no período de junho, de 25% para até 50%. Para tanto, além de caprichar nas programações, a Bahiatursa promoverá roteiros bate-e-volta em cidades próximas da capital. ''Nessa primeira experiência, vamos fazer fretamentos de ônibus de Salvador para municípios do Recôncavo Baiano'', explica Emília. MARANHÃO Em São Luís, não é só o sanfoneiro que dita o ritmo da festa. Grupos de tambor de crioula e bumba-meu-boi são o ponto alto da programação junina, que neste ano começa no dia 13 e vai até 29. Serão 1.295 apresentações de grupos de bumba-meu-boi, 71 quadrilhas, 32 grupos de dança boiadeiro e 40 de cacuría e coco, distribuídos em 29 arraiais espalhados pela capital maranhense e por seu entorno. Na noite de 23 de junho, véspera do dia de São João, os grupos folclóricos batizam seus bois, com direito a ladainha cantada em latim. O ritual é feito para que o boi não amanheça pagão no dia do santo. Só depois é que o grupo apresenta sua indumentária e os temas das toadas. São Pedro, santo da devoção do bumba-meu-boi, também recebe homenagens em seu dia (29). Os católicos vão até a igreja e, após uma missa, iniciam a queima de fogos. Depois, seguem para a costa, onde o padroeiro dos pescadores ganha uma procissão marítima. Não existe horário exato para a realização do ritual, que depende da maré. SERGIPE O bate-coxa também promete ser animado em Sergipe, que investiu mais de R$ 10 milhões nos festejos. Em Aracaju, o forró será na Orla de Atalaia, que recebe a Vila Chapéu de Couro, cidade cenográfica com igrejinha e botecos. Para animar os visitantes, entre 15 e 30 de junho, haverá apresentação de artistas como Dominguinhos, Zé Ramalho e Alceu Valença. A entrada é gratuita. Mais comemoração em Canindé de São Francisco, a 197 quilômetros da capital, onde o concurso cultural Minha Rua é 10 promete agito no mês inteiro. Em Estância, a 68 quilômetros de Aracaju, o ponto alto promete ser um concurso pirotécnico. Bahia: www.saojoaobahia.com.br Maranhão: www.cultura.ma.gov.br Sergipe: www.sergipeforroepaixao.com.br

Mais conteúdo sobre:
bahia pelourinho festa-junina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.