Horizonte recortado por ilhas e fiordes

Torres del Paine se destaca na parte sul da Patagônia

Adriana Moreira e Mônica Nóbrega, O Estado de S.Paulo

02 Dezembro 2008 | 02h50

Geleiras, lagos e fiordes desenham a paisagem do trecho sul da Patagônia chilena. Punta Arenas disputa com Ushuaia, já na Argentina, o título de cidade mais austral do mundo e serve como ponto de referência das grandes embarcações que seguem em direção à Antártida e também de excursões de um dia pelas ilhas ali por perto. Grande, barulhenta e empoeirada, Punta Arenas não chega a se destacar pela beleza, mas tem infra-estrutura turística. Dali partem cruzeiros de exploração, como os Cruceros Australis - uma alternativa intermediária para ver a região. Esqueça os shows e jantares de gala tão comuns nesse tipo de viagem. As atrações desses cruzeiros foram criadas pela natureza. Para desbravá-las, os passageiros usam botes de borracha, os zodiacs. E deslumbram-se entre geleiras, ilhas repletas de pingüins e de leões-marinhos, além do temido e mau humorado Cabo de Hornos.Punta Arenas abriga o aeroporto mais perto do Parque Nacional Torres del Paine. Até lá, são outras quatro horas de viagem por terra, em direção ao sul.Em dias azuis, mais freqüentes entre setembro e março, os Cuernos del Paine surgem no horizonte 100 quilômetros antes da entrada do Parque Nacional Torres del Paine. São dois picos rochosos e bicolores, formados por sedimentos. De trekking a parapente, há ali muitas opções de esportes na natureza.Puerto natalesA não ser que acampe no parque (onde a temperatura na madrugada chega fácil a 15 graus negativos), o turista provavelmente vai se hospedar na graciosa Puerto Natales, esta sim, a mais austral do mundo.Outra cidadezinha cheia de charme na parte sul da Patagônia chilena é Puerto Varas, às margens do Lago Llanquihue - segundo maior do Chile - e sob o olhar atento do Vulcão Osorno. Nela se hospedam os turistas que vão explorar a bela região dos Lagos e Vulcões. Essa região, aliás, foi bastante prejudicada pela erupção do Vulcão Chaitén, em maio. Por isso mesmo, vale se informar sobre a situação local antes de marcar a viagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.