Fernando Victorino @ComoViaja
Fernando Victorino @ComoViaja
PUBLICIDADE

Hospedagem na selva com conforto e gastronomia de cidade grande

De fácil acesso de carro a partir da capital, o Mirante do Gavião Amazon Lodge alia conforto com experiência genuína

Nathalia Molina, Especial para o Estadão

20 de março de 2022 | 05h00

Um hotel com a gastronomia e a estrutura do Mirante do Gavião seria uma ótima opção de hospedagem em qualquer parte do Brasil. Mas aí tem mais um ponto a favor: ele não está em qualquer parte do País. Localizado em Novo Airão, fica diante do Parque Nacional de Anavilhanas, na Amazônia. E, nesse caso, tudo é influenciado por esse detalhe. A comida e a arquitetura recebem o toque amazônico, e os passeios são realizados de barco para visitar as áreas verdes e os povoados à beira do Rio Negro.

O Mirante do Gavião Amazon Lodge não é um hotel de selva no sentido mais cru da expressão. De fácil acesso (em média, três horas de carro a partir da capital amazonense) e de estrutura super confortável, tem na arquitetura um de seus mais marcantes traços. O desenho arqueado, que lembra o casco de um barco amazônico invertido, está presente em todo o hotel-design, da recepção aos 12 quartos. O teto do restaurante Camu Camu é o mais emblemático exemplo disso a arquitetura. Nas acomodações, as comodidades incluem ar-condicionado, frigobar e amenities Natura Eco.

Dos mesmos donos, o Mirante do Madadá tem inauguração prevista para o fim de 2023 e também guarda nos traços da sua construção um de seus pontos essenciais. O projeto de Marko Brajovic, expoente da bioarquitetura na América do Sul, foi destaque na Bienal de Arquitetura de Veneza em 2021. Por meio de elementos naturais e culturais da região, popõe uma imersão na floresta, também em harmonia com as comunidades locais.

Delícias de chef à mesa 

Sobre as mesas, brilha a gastronomia de Debora Shornik, executada com competência pela equipe hotel. A proposta da chef – também à frente do restaurante Caxiri, em Manaus – é fundir sabores regionais com cozinha contemporânea. As refeições, incluídas nas diárias, caem perfeitamente com os drinks criados pelo mixologista Ale D’Agostino, também com muitos toques regionais.

Entre os pratos, o tucunaré com caldo de tucupi é maravilhoso (mas forte demais para quem não está acostumado ao poder da mandioca brava). De entrada, prove a bruschetta de tomate, queijo e pesto de jambu (adormece levemente a boca).

O café da manhã do Mirante do Gavião marca quem ama a primeira refeição do dia. Além de saboroso, é muito diferente de qualquer um que você já provou em hotéis fora do Norte do Brasil. Pense em mingau de banana verde com tapioca, pão de açaí, pé de moleque (mandioca brava com castanha) e geleia de cupuaçu, entre outras opções de salivar.

Passeios com trilhas e banhos de rio

Fora isso, há uma piscina, dois mirantes para apreciar a região do Parque Nacional de Anavilhanas e salão de jogos com redário e varanda de cara para o Negro. Vivenciar as belezas do rio, sua natureza e seus povoados está na essência dos passeios do Mirante. Toda manhã e tarde os viajantes partem de barco para fazer caminhadas, aprender sobre a fauna e a flora, se banhar nas águas cor de mate e visitar comunidades como a do Tiririca. No povoado ainda com luz à base de gerador, menos de 50 pessoas vivem da arte de construir canoas à mão e da venda de artesanato.

Seu Antenor, experiente barqueiro-guia do Mirante, nos conduziu em dois passeios. No primeiro, fizemos uma caminhada na floresta, com dois guias locais, moradores da comunidade do Tiririca. Conhecemos espécies de árvores nativas, ouvimos os pássaros da Amazônia e escutamos histórias sobre tradições locais. Depois, tomamos o barco novamente para andar na comunidade e almoçar lá pelo Tiririca.

No roteiro pelo Arquipélago de Anavilhanas, o barco do Mirante do Gavião passa entre as ilhas. Preste atenção nos sons da floresta e mantenha os olhos atentos na mata. Mais para fazer suas próprias descobertas, porque os guias sempre avisam se algum animal aparecer nas árvores ou no rio.

Ao voltar do passeio, o hotel pede que o viajante já faça o pedido do jantar para que o prato esteja pronto perto do horário combinado, à noite. A caminhada até o quarto sob o luar e as estrelas encerra de maneira singela mais um dia na Amazônia.

Quanto custa

Mirante do Gavião Amazon Lodge

O pacote mínimo recomendado pelo hotel para aproveitar a viagem tem duas noites/três dias. Custa desde R$ 4.620 por pessoa em suíte dupla, incluindo passeios e refeições a la carte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.