Ícone de uma cidade recriada

Torre da TV, no ex-lado oriental, ocupa a posição de destaque que já foi do Muro

O Estado de S.Paulo

03 Novembro 2009 | 01h41

O avião se aproxima da pista de pouso e, da janela, se impõem os 368 metros de altura da Torre da TV, primeira evidência de que a cidade lá embaixo é mesmo Berlim. Esse papel de confirmar a chegada coube, durante 28 anos, ao traçado de retas e bruscos ângulos que formavam o Muro. Observar do alto era, então, a única forma de ter a dimensão exata da estrutura que separava não apenas duas áreas de uma cidade, mas duas visões de mundo.

 

Da mesma forma, os protagonistas turísticos de Berlim já foram exatamente os bairros enclausurados no meio daquele anel de concreto. Durante muito tempo, viajar à capital alemã significou ir ao lado ocidental, onde estavam as ruas e os prédios modernos, a cena cultural dinâmica, os bons restaurantes, lojas e quase tudo o que pudesse ser classificado como atração para quem ia de fora.

 

Veja também:

linkHistórias sobre o 'lado de lá'

linkNo pedal, a trilha da antiga muralha

linkNovo e colorido lifestyle berlinense

linkDe periferia a reduto alternativo, a cultura efervescente de Kreuzberg

linkCom show e dominó gigante, festa ganhará as ruas

link'Oficiais colocavam espelhos sob assoalho do ônibus'

link'Era como entrar em um filme em preto e branco'

especialLeia reportagens antigas sobre a cidade de Berlim

Pois a Berlim turística se deslocou. Sem o Muro e sem agentes fardados para vigiar a circulação, a cidade caminhou para o leste. Foi ao (re)encontro de espaços até então vetados a estrangeiros e moradores do lado ocidental. Bairros colados ao antigo paredão, considerados fins de mundo, começaram a atrair jovens, estudantes e artistas ávidos por inventar um novo jeito de viver na capital.

Se no primeiro momento isso ocorreu por causa dos valores baixos dos aluguéis, com o passar dos anos o motivo mudou radicalmente. Hoje, muitos pagam centenas de euros por mês para morar perto do que há de mais inteligente, moderno e vibrante na cidade.

Assim, pontos antes badalados como a Kurfürstendamm, uma Avenida Paulista do lado ocidental, viraram daqueles lugares aos quais você vai se tiver tempo. Por que ir ao Europacenter ver as grifes de sempre se, em bairros orientais como Kreuzberg e Prenzlauer Berg, centenas de galerias e lojinhas criativas esperam a sua visita?

É claro que os monumentos continuam onde sempre estiveram e os turistas ainda procuram os canteiros verdes do Tiergarten e o domo de vidro do Parlamento. Mas, pode apostar, estão de passagem para o comércio chique da Friedrichstrasse (endereço do Checkpoint Charlie), os bares à beira do Rio Spree e os grafites da East Side Gallery, tudo no lado oriental. Ou da Alexanderplatz, onde fica a Torre da TV, convertida em ícone da Berlim reinventada.

 

PACOTES*

linkUS$1.016: 5 noites, com café. Na Top Brasil (0--11- 3926-8000; www.topbrasiltur.com.br)

linkUS$1.038: 5 noites, com café. Na Taks Tour (0--11-2821-8800; www.takstour.com.br)

linkUS$1.039: 4 noites, com café. Na ADVtour (0--11- 2167-0633; www.advtour.com.br)

linkUS$1.149: 7 noites. Com a Riviera (0--11-5533-6889; www.rivieraoperadora.com.br)

linkUS$ 1.187: 4 noites, com café. Na Sem Fronteiras (0--11-2091-3595; www.semfronteiras.tur.br)

linkUS$1.200: 5 noites, com tour de bike pela cidade e passeio na Legoland Discovery Center. Na Keith Prowse (0--11-3672-7050; www.keithprowse.com.br)

linkUS$1.290: 4 noites, com café. Na Abreutur (0--11- 3702-1840; www.abreutur.com.br)

linkUS$1.299: 5 noites. Na RCA Turismo (0--11-3017-8700; www.rcaturismo.com.br)

linkUS$1.348: 5 noites, com café e citytour. Na Rubiatur (0--11-3236-6555; www.rubiatur.com.br)

linkUS$1.470: 6 noites, com café. Na Inside (0--11-4508-8010; www.insideviagens.com.br)

linkUS$1.693: 4 noites. Na TAM Viagens (0--11-4706-0743; www.tamviagens.com.br)

linkUS$2.390: 6 noites com café. No Submarino Viagens (0--11-4003-9888; www.submarinoviagens.com.br)

linkUS$2.808: 5 noites com café, city tour e seguro viagem. Com a CVC (0--11- 2191-8911; www.cvc.com.br)

Mais conteúdo sobre:
Viagem & Aventura Alemanha Berlim muro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.