'I'm sorry': consulte um agente de viagens

miles@estadao.com

Mr. Miles, o homem mais viajado do mundo*, O Estado de S.Paulo

21 Janeiro 2014 | 02h10

Nosso fleumático viajante não conseguiu ocultar a emoção ao ver a quantidade de correspondências produzida pela coluna da semana passada, todas elas elogiosas. "I'm really very thrilled com tantas homenagens, mas quero repassá-las, por inteiro, a dona Dulce, autora da pergunta e das viagens em idade provecta às quais ela se refere. As I use to say, my friends, viajar não é uma questão de tempo ou de dinheiro. É uma opção de vida que todos temos, já que este planeta nos pertence. As aves, os peixes e inúmeros mamíferos que conosco dividem a ventura de habitar um mundo tão variado e surpreendente, também o fazem. Vocês sabiam que o tangará escarlate, um lindo pássaro que fotografei no Pantanal, próximo a Aquidauana (what a weird name!), viaja todas as primaveras para Nova York, assim como a maioria de vocês?

Yes: revoadas deles podem ser vistas nas árvores do Central Park. É claro que vocês não poderão avistá-los no MoMa, no Guggenheim ou no interior de qualquer uma das lojas que tanto atraem visitantes. Mas, por algum motivo sobre o qual eles se recusam a comentar, Nova York é seu destino predileto. Voltando ao tema da volumosa correspondência desta semana, quero agradecer a todos e regozijar-me com a certeza de que, de alguma maneira, estou humildemente ajudando a produzir mais e mais viajantes. Quero encontrá-los a todos em algum aeroporto ou (more likely) em algum pub around the world. Discordo apenas dos leitores que elogiam a qualidade de meu texto. I'm very sorry to say, mas ainda estou longe de dominar o lindo idioma de Camões, Pessoa e, sobretudo, de meu saudoso amigo Érico Veríssimo, um escritor que sempre me faz sentir o minuano. Ouso revelar que foi em uma visita à minha casa no Condado de Essex que Érico escolheu o nome de sua obra. Ocorre que, enquanto meu relógio de carrilhão começou a badalar, um vento fortíssimo soprou do norte. Foi então que ele teve a revelação: 'O Tempo e o Vento, Miles! É o nome perfeito para esta obra! Mas, bah, como foi que não tive a ideia antes?'. E assim ficou."

A seguir, a pergunta da semana:

Mr. Miles: tenho planos de ir para a Europa por 15 dias e gostaria de visitar França, Espanha e Itália. O senhor poderia me sugerir um roteiro?

Tomás Souza Andrade, por e-mail

"Well, my friend: seu roteiro já está comprometido antes do planejamento. Você fala em visitar a Europa e não inclui a Inglaterra? Não se preocupe: somos bonzinhos, não mordemos e temos grandes atrações. E, hoje em dia, você nem será obrigado a comer kidney pie (N. da R.: torta de rins, especialidade britânica), porque temos restaurantes da melhor qualidade e de todas as origens. Mas, enfim, se você pretende fazer uma viagem incompleta, quem sou eu para censurá-lo?

Quanto a preparar roteiros, sinto informá-lo de que não tenho qualquer habilidade nesse particular. Um bom agente de viagens estará muito mais autorizado, nesse sentido, do que este pobre viajante. Besides, dear Tomás, não sei sua idade, não estou informado se você vai viajar sozinho, não sei em que época do ano pretende vir, não sei qual é a sua condição financeira, tampouco seus interesses específicos. Você há de concordar, I hope, que seria leviano de minha parte fazer qualquer sugestão. A não ser as mesmas de sempre: olhos abertos, espírito ainda mais aberto, muita referência prévia e grande capacidade para entender e contemplar. Sem isso, I'm afraid, nem seu agente de viagens pode garantir uma jornada que fique na memória."

*Mr. Miles é o homem mais viajado do mundo. Ele esteve em 183 países e 16 territórios ultramarinos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.