iPad, opção divertida para Levar na mala

Hi-tech - Além de acessar a web, servir de tradutor e agente de turismo, aparelhinho[br]é um antídoto contra o tédio, com jogos, músicas, livros e filmes

Bob Tedeschi / NYT, O Estado de S.Paulo

27 Abril 2010 | 02h21

Ainda não tive a chance de cair na estrada com um iPad, mas depois de duas semanas testando o aparelho sem sair de casa, em viagens virtuais, sinto que estou apto a dar meu veredicto. Se você pode gastar US$ 700 (R$ 1.234) para comprá-lo e outro tanto para instalar aplicativos, a novidade compensa.

Vou mencionar apenas alguns dos motivos pelos quais o brinquedinho surge como um ótimo companheiro de viagem: é uma biblioteca portátil (e gratuita), conecta você com a web, funciona como tradutor e se mostrou um competente agente de viagem ? sem falar que proporciona diversão durante um voo longo. Antes que alguém reclame, sim, você pode dizer o mesmo do seu laptop. Mas não há chance de ele pesar os míseros 1,5 pounds (680 gramas) de um iPad.

Ressalvas sejam feitas, o aparelho ainda (digo ainda porque melhorias estão sendo feitas) não é perfeito para alguns tipos de viajantes. Entre eles, os aventureiros, que navegam num mar de hotéis sem Wi-Fi, a forma de ligar o iPad com a web. Incluiria na lista os executivos ? não gostei de digitar naquela superfície. E os que precisam produzir informação durante a jornada: embora se conecte fácil com o Skype, o aparelho não tem câmera.

Em todos os outros casos, o iPad se mostrou ideal, ainda mais quando turbinado com aplicativos de primeira linha. Os cerca de 185 mil programinhas disponíveis para o iPhone valem para o iPad. Com o FlightTrack Pro, por exemplo, você consegue acompanhar a localização do seu avião em tempo real e receber alertas avisando caso o voo esteja atrasado ou for cancelado. Indo adiante, a telinha revela o que o viajante poderá ver se olhar pela janela, além do mapa do terminal do aeroporto.

Mas quando você estiver esperando pelo embarque é que a maravilha se revelará: o iPad é excelente para jogos e filmes. A tela do aparelho reage facilmente aos volteios da sua mão e permite a ação de vários jogadores como nenhum outro no mercado. A imagem dos filmes, por sua vez, também fica ótima.

Como tocador de música, ele supera o iPod. Você consegue deixar na sua rádio personalizada e ler sobre os músicos ao mesmo tempo (com o aplicativo Pandora). E, por motivos óbvios, é um ótimo leitor para e-books. São muitos os programas, a maioria gratuitos, incluindo o iBooks, da Apple, e o Kindle, da Amazon"s Kindle. Para você ler do último best-seller ao mais clássico dos clássicos. Ou seja, o aparelho ajuda a espantar o tédio como nenhum outro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.