Sofia Patsch/Estadão
Sofia Patsch/Estadão

Jaipur

Um inspirador passeio pela 'cidade rosa'

Sofia Patsch, Jaipur

29 Maio 2018 | 05h06

É por causa da cor de suas construções que Jaipur, terceira parada no roteiro de trem, é conhecida como “cidade rosa”. Capital do Rajastão e uma das cidades mais pulsantes do Estado, abriga belos edifícios, incluindo o Palácio da Cidade, Amber Fort e o Hawa Mahal ou Palácio dos Ventos. O centro histórico está em obras por causa da construção do metrô, o que dificulta um pouco os deslocamentos. 

Os mercados são tentações para quem curte moda e compras. Artesãos exibem joias, pinturas, esculturas e tecidos. A marca de Jaipur são os tecidos com estampas fabricadas manualmente com carimbos de madeira, num método conhecido como block print, usado na Índia há mais de 300 anos. 

Uma dica: não aceite o primeiro preço. Indianos adoram negociar e baixam o valor para menos da metade, basta mostrar desinteresse. É bom trocar seus dólares por rupias indianas, pouquíssimos estabelecimentos aceitam dinheiro estrangeiro. 

Muitos turistas optam por subir até o Amber Fort em cima de elefantes. Os animais são meio de transporte na Índia há séculos e, na época dos marajás, quanto mais elefantes o exército tinha, mais poderoso ele era. Para evitar acidentes, no turismo os operadores dão preferência às fêmeas, mais calmas que os machos. 

Para quem se interessa por arte e cultura, visitar o museu do Palácio da Cidade é obrigatório. O local abriga uma vasta coleção de utensílios da família real de Jaipur. Podem ser vistos trajes que eram do rei, bordados com muito ouro e prata; antiguidades e artefatos de guerra; uma excelente coleção de pinturas em miniatura, tapetes e raros trabalhos astronômicos em árabe, persa, latim e sânscrito. Hoje o Palácio da Cidade é muito procurado para realização de casamentos. 

Mais conteúdo sobre:
Índia [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.