Lagoa da Conceição, siga o aroma do tempero manezinho

A comparação pode parecer ingênua, mas se a Ilha de Santa Catarina fosse humana, certamente a Lagoa da Conceição seria um de seus órgãos vitais. Quem sabe até o coração, já que todos passam por ali, seja a caminho das praias ou do centro de Florianópolis. Porém, mais do que um ponto de passagem, a lagoa é um efervescente polo gastronômico e esportivo, que reúne turistas e 'manezinhos' - autodenominação carinhosa dos nascidos por lá.

FELIPE MORTARA , FLORIANÓPOLIS , O Estado de S.Paulo

10 Abril 2012 | 03h08

Com quase 20 quilômetros quadrados, a Lagoa da Conceição costuma ser dividida em duas partes: a de dentro (ao sul da Ponte da Freguesia), mais residencial, e a de fora, onde está o trecho conhecido como Costa da Lagoa. A área é acessível apenas de barco - que opera como uma linha de ônibus, com pontos de parada - ou por meio de uma trilha bem demarcada de 8 quilômetros, para ser percorrida a pé ou de bicicleta.

Além da água mais limpa de toda a lagoa e da área de Mata Atlântica nativa, a região preserva uma atmosfera rústica de vilarejo pesqueiro, habitado por descendentes dos colonizadores açorianos - que mantêm a tradição preparando peixes e frutos do mar frescos.

Desça no ponto 18 para petiscar no Restaurante do Índio (48-3335-3007). A pedida ali é o inesquecível pastelzinho, de camarão ou siri (R$ 3,50 a unidade). Peça uma cerveja e contemple a lagoa, transparente. Claro, pode mergulhar à vontade.

Guarde apetite para desbravar as delícias do Rancho de Canoa (48-3232-3639), do outro lado da Lagoa da Conceição, no começo do canal da Barra da Lagoa. Com uma vista poética, a difícil escolha fica entre o camarão na moranga (R$ 65, para duas pessoas) e a famosa sequência de camarão (R$ 68, também para dois), com o crustáceo nas versões frita ao alho e óleo, à milanesa, grelhado e no molho do badejo.

Depois de tanta comilança, que tal gastar as calorias em uma caminhada? Empresas como a Trilha da Ilha (trilhadailha.com.br) oferecem opções de trekking com a companhia de um guia certificado. O trajeto dura cerca de quatro horas e passa por antigos engenhos de mandioca e mirantes de tirar o fôlego. Os passeios custam R$ 100 por pessoa, incluem almoço e podem ser customizados com viés histórico, biológico ou esportivo, de acordo com o interesse do visitante.

Adrenalina. Quebrando o clima plácido e bucólico, a Lagoa da Conceição contempla também os que buscam adrenalina. E o melhor: acessível tanto aos que já praticam como aos que querem aprender esportes aquáticos. Na Avenida das Rendeiras, que margeia a lagoa, há diversas escolas - que também alugam equipamentos.

Basta olhar a quantidade de pipas no ar para saber que o kitesurfe é o queridinho do momento. Aulas de duas horas custam a partir de R$ 250 na Wind Center (windcenter.com.br), e um curso completo fica por R$ 1.200. Já o windsurfe é uma opção mais econômica - mas não menos emocionante - com aluguel ao preço médio de R$ 50 a hora. Para os dias sem vento, a moda é o stand-up surfe, esporte em que os praticantes remam de pé sobre uma prancha mais grossa. Aulas saem por R$ 80 e o aluguel, por R$ 50. Os menos corajosos encontram caiaques e pedalinhos a preços mais acessíveis.

Sabor

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.