Lambayeque guarda o esplendor do Señor de Sipán

A 30 quilômetros de Chiclayo, Huaca Rajada é palco da descoberta arqueológica mais importante do fim do século passado. O Señor de Sipán foi encontrado ali em 1987, época de turbulência política e social no Peru, pela equipe de Walter Alva. Dada a suntuosidade do sepultamento, foi instantaneamente tratado como "Tutancâmon das Américas".

O Estado de S.Paulo

10 Junho 2014 | 02h07

O complexo comporta muitos outros contextos funerários - até o momento foram encontrados 16 deles, e os trabalhos de escavação continuam. A visita ao local, onde há uma reprodução do enterro, é complementada por um museu, que guarda relíquias.

No entanto, a grande riqueza que espalhou a fama do Señor de Sipán pelo mundo está em um acervo supermoderno em Lambayeque, a 15 quilômetros de Chiclayo. Idealizado em forma de pirâmide, tal qual um antigo templo cerimonial, o Museo Tumbas Reales de Sipán (museotumbasrealesdesipan.pe; R$ 8) exibe os restos mortais e o esplendoroso espólio de governantes moches (ou mochicas), cultura que dominou a região muito antes dos incas (leia na página 12).

Há mais de 5 mil peças (brincos, colares, narigueiras, coroas) trabalhadas em ouro, prata e cobre com incrustações de pedras preciosas, artefatos de guerra, recipientes de cerâmica, tecidos e, claro, esqueletos. De arrepiar. / FÁBIO VENDRAME

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.