Lembranças do nazismo em uma linda vila medieval

Este texto seria sobre uma vila medieval linda, ainda cercada por sua muralha, dona da feira de Natal mais antiga e propalada da Alemanha. Último ponto do meu cruzeiro pelo Danúbio, Nuremberg é cheia de história para contar, como os outros lugares por onde passei até o desembarque. Mas a cidade alemã tem uma narrativa muito particular, marcada por sua relação com o nazismo no passado, o que torna impossível visitá-la sem esbarrar nesse momento da história.

NUREMBERG, O Estado de S.Paulo

19 Junho 2012 | 03h09

Em 1935, Hitler assinou lá as terríveis Leis de Nuremberg, formalizando a política antissemita dos nazistas, por meio da segregação de judeus e da definição de alemão puro. Também nessa cidade ocorreram os mais emblemáticos encontros nacionais nazistas. Os comícios do partido foram organizados de 1923 a 1938 - a partir de 1927, sempre em Nuremberg. Ainda hoje é possível subir à tribuna onde Adolf Hitler discursava para a multidão, imagem cristalizada em fotografias de época. Como as que nos mostrou o guia alemão que acompanhou o grupo do Amalyra no tour da Segunda Guerra Mundial.

Quando havia mais de um roteiro disponível na parada, os passageiros recebiam com antecedência o papel para fazer sua opção. Em Nuremberg, podia-se escolher entre a visita guiada pelo centro antigo ou pelas construções da era nazista. O desembarque seria apenas no dia seguinte, então havia tempo para estender o passeio à vila medieval após conhecer os lugares da história mais recente.

Para demonstrar seu poder e mobilizar as massas, o partido ergueu várias edificações numa área total de quatro quilômetros quadrados, todas em torno da Grosse Strasse, a rua central. Um dos mais importantes prédios desse conjunto e símbolo da megalomania nazista é o Kongresshalle, desenhado para abrigar 50 mil pessoas em congressos. Na asa norte da construção, inacabada por causa do começo da guerra, funciona o Centro de Documentação Reichsparteitagsgelände. A exposição permanente Fascinação e Violência conta toda a história de ascensão e queda do nazismo e destaca os temas relacionados à cidade alemã.

Mas é por causa de outro edifício que a cidade é sempre lembrada. No Memorial dos Julgamentos de Nuremberg (Memorium Nürnberger Prozesse), painéis, fotografias e filmes dão o clima das sessões, realizadas diante do Tribunal Militar Internacional. De 20 de novembro de 1945 a 1.º de outubro de 1946, foram julgados e condenados ali nazistas como Hermann Göring, braço direito de Adolf Hitler.

Por mais incômoda que seja a história, não dava para ficar indiferente a tudo isso durante a visita a Nuremberg. No entanto, ver o anoitecer no vilarejo medieval, do alto do castelo, desenhando a bela silhueta da cidade, me fez pensar. Que Nuremberg está longe de se reduzir à era nazista. E que a capacidade de recuperação da Alemanha impressiona. Os bombardeios da Segunda Guerra Mundial destruíram 90% da parte antiga, e lá estavam todas aquelas construções diante de mim, como se vê na foto. A viagem estava, enfim, completa. /N.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.