Visit Norway/Divulgação
Visit Norway/Divulgação

Lugares quentinhos (e saborosos) para passar o tempo em Tromso

O físico Asgeir Brekke definiu bem por que escolher Tromso para ver a aurora boreal. Segundo ele, a cidade está localizada exatamente no centro da região ártica onde os raios magnéticos do sol tocam a atmosfera da Terra em sua trajetória ao Polo Norte. Maior cidade do Círculo Polar na Escandinávia, Tromso tem intensa atividade turística no inverno e também no verão, o que garante uma ótima rede hoteleira.

TROMSO, O Estado de S.Paulo

26 Março 2013 | 02h13

Há vantagens estratégicas que justificam essa condição de polo turístico regional. Com cerca de 100 mil habitantes, Tromso conta com uma grande universidade e indústrias pesqueira e de estaleiros muito dinâmicas, além de bons restaurantes, museus e uma vida noturna típica dos centros estudantis.

Um excelente cenário, portanto, para preencher os longos dias escuros do inverno à caça da aurora boreal. Você pode começar, por exemplo, pelo Museu Polar (uit.no/polarmuseet), que pertence à Universidade de Tromso e narra em imagens e documentos a história da conquista do Polo Norte.

Outra pedida interessante é o Museu de Arte (Nordnorsk Kunstmuseum, na Sjogata 1). Ali, há obras de artistas locais - incluindo quadros do norueguês Edvard Munch. Em Polaria, uma área multimídia, o visitante tem acesso a uma mistura de aquário, filmes sobre o meio ambiente local, um grande tanque com leões-marinhos e até uma galeria onde fica preservado para visitação um antigo navio dedicado a caçar focas.

Na hora da fome, a pequena cidade não decepciona. À mesa, uma gastronomia que vai da japonesa à italiana, passando pelos exóticos sabores locais, cheias de carnes raras para o paladar brasileiro.

Com preços justos e muito procurado pelo público jovem, o Pastafabrikken (literalmente,Fábrica de Macarrão), na Sjogata 17A, usa uma fórmula simples: é o próprio cliente que compõe seu prato. No mesmo prédio, mas com acesso pelo lado oposto, fica o Fiskekompaniet (ou seja, Companhia do Peixe), especializado em peixes e frutos do mar e com público mais maduro.

Para a sobremesa, que tal passar no Aunegarden (Sjogata 29)? O local, um misto de café e restaurante instalado no prédio de um antigo açougue, é bem concorrido entre os universitários. Apesar de oferecer almoço, as estrelas principais são mesmo as tortas e doces - ótimos acompanhamentos para um chá ou café no fim da tarde.

Panorâmica. A 421 metros de altura, no alto do monte Storsteinen, um restaurante se tornou ponto turístico obrigatório. A subida é feita em um simpático teleférico - a atração, contudo, está fechada para manutenção até 1.º de maio. Lá em cima, avista-se a cidade e seus fiordes - os mais habilidosos podem até descer esquiando.

Não é o único lugar para uma bela panorâmica. Construído em estilo moderno sobre as águas ao lado do porto, o prédio de seis andares do hotel se destaca na paisagem. O bar no último andar oferece, além da vista, ótimos coquetéis para esquentar os mais friorentos. Uma boa pedida a qualquer hora. /L.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.