Daniel Akstein/Estadão
Daniel Akstein/Estadão

Luxo nos cassinos ou no spa. Ou diversão sem gastar quase nada

Realeza

O Estado de S.Paulo

30 Abril 2013 | 02h11

Chegar a Mônaco pelos céus é uma forma de entrar no clima de glamour do principado desde o primeiro momento. Além de ser um belo passeio sobrevoar a Côte D'Azur. Enquanto a maioria dos turistas vai de ônibus ( 18) ou táxi (desde 69), o trecho desde o aeroporto de Nice custa, em média, 115 por pessoa. Perdeu a chance? Outra opção é fazer o sobrevoo de meia hora, por 150, com a Heli Air (heliairmonaco.com).

Ao desembarcar, você pode seguir direto para a sua Ferrari alugada. Por uma diária de 2.200 (na Platinium Rent), você estará no comando de uma máquina de luxo para dirigir por um dos circuitos mais tradicionais do mundo. O carro não é um Fórmula 1 e obviamente será impossível chegar aos 300 quilômetros por hora, mas a sensação certamente terá algo de grande prêmio.

Ainda no quesito programas luxuosos, o Cassino de Monte Carlo, inaugurado em 1893 (no fim do século 19, portanto), remete à belle époque francesa. É o mais tradicional de Mônaco, tem entrada gratuita - exceto para algumas salas de jogos reservadas -, mas exige produção à altura. Você será impedido de entrar se não estiver bem vestido. Não precisa chegar a smoking, no entanto, mas ao menos um paletó será necessário.

Logo no salão principal, máquinas caça-níqueis e mesas de blackjack garantem o clima de cenário de cinema. Outras salas completam o visual: a de música com bar, a de pôquer, os terraços com vista para o Mediterrâneo...

Para relaxar em grande estilo, ter o corpo inteiro "balanceado" é apenas uma das promessas das Termas de Monte Carlo. Tudo depende, claro, do programa escolhido (ou do que você pode pagar). Por 290, o pacote Monte Carlo Combo, por exemplo, inclui massagem, peeling e banheira de hidromassagem com sal, cristais e óleos - mas somente depois de uma medição completa do corpo, ritual que é repetido ao fim da terapia, para descobrir quão "balanceado" você ficou. Se seguir a indicação do local, você fará o tratamento duas vezes: ao chegar e antes de ir embora do país, para prolongar a sensação de bem-estar. Há opções de pacotes focados em saúde, como o Premium Health Capital, com 13 tratamentos, um check-up completo, exames cardiológicos e nutricionais, por 2.037.

Antes de ir embora do spa, aproveite as piscinas aquecidas e o restaurante L'Hirondelle, onde os clientes almoçam de roupão, sem nenhuma cerimônia.

Plebe

O melhor passeio em Mônaco é gratuito, mas pede disposição. O segredo para conhecer o país é se perder sem pressa, disposto a subir e descer ruas, caminhar pela orla para ver os rochedos no mar, trombar com obras de arte espalhadas por todo o pequeno território, encontrar inesperadas pracinhas e muros floridos. Seu caminho pode cruzar tanto parques gratuitos, como o Jardim Japonês, quanto o Jardim Exótico, com entrada a 7, inaugurado em 1933 pelo príncipe Lois II e de onde se contempla um belíssimo pôr do sol, além de milhares de espécies de plantas e flores. Seja qual for a direção escolhida, deixe a máquina fotográfica sempre a tiracolo e saiba que, mesmo perdido, você sempre estará no lugar certo.

Se não quiser caminhar, Mônaco tem a sua versão de ônibus hop on-hop off. O veículo vermelho, aberto, leva aos principais pontos turísticos. São 12 paradas nas quais os veículos passam a cada 15 minutos durante a alta estação (abril a outubro) e de meia em meia hora nos demais meses. O bilhete custa 18 (monacolegrandtour.com) e, além de valer por um dia inteiro, dá desconto em um dos dez museus do principado.

O de Souvenir Napoleônico e Acervos dos Arquivos Históricos do Palácio (www.palais.mc; ingresso a 9) tem um conjunto de objetos e documentos que pertenceram a Napoleão Bonaparte. A visita inclui uma parte do palácio e também episódios da história da família Grimaldi, que governa o principado.

Outro museu de destaque é o Oceanográfico (oceano.mc; 14). Centenas de espécies de peixes em um belíssimo aquário, acervo de história natural e um lago de tartarugas e tubarões são os pontos altos da visita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.