'Maior expansão em todos os tempos'

Como uma atração na Disney

O Estado de S.Paulo

08 Julho 2014 | 02h07

é planejada?

Vários estudos são feitos. As equipes de design e engenharia industrial fazem pesquisas sobre a popularidade das atrações para saber quais estão mais concorridas, quais não são mais tão populares e decidir se vale a pena introduzir uma nova atração. Agora nós estamos lançando a montanha-russa dos Sete Anões porque vimos que existe um público mais jovem que queria algo mais emocionante. Essas atrações tendem a ser mais populares e concorridas no parque.

Ela é voltada para que público?

É para a família toda. Tem um pouco mais de emoção, mas é voltada para crianças e adultos. É como se você estivesse entrando no carrinho da mina. A tecnologia é a primeira na história das montanhas-russas em que o carrinho se move em duas direções, não só sobe e desce nas ladeiras da mina, mas também balança da direita para a esquerda, o que vai ser bem legal.

Quais são os destaques da

nova Fantasyland?

A nova Fantasyland é a maior expansão na Disney em todos os tempos. Tem o restaurante Be Our Guest, que fica no castelo da Fera. Os Contos Encantados com Bela, uma atração em que crianças e adultos ajudam a Bela a contar uma história. Tem o brinquedo da Pequena Sereia, em que você faz uma viagem para o fundo do mar e entra no castelo do príncipe Eric, passando pela história inteira. Tem também a parte do Storybook Circus, com o Dumbo, que é um superclássico. Nós acabamos com a fila desta atração fazendo um parquinho com interatividade para a criança não ter de ficar esperando. E agora, por ser tão popular, baseado nos estudos, temos dois Dumbos em vez de apenas um.

De que cidade você veio no

Brasil e como chegou até aqui?

Eu sou de São Paulo, capital, e vim para os Estados Unidos fazer meu mestrado em arquitetura na Tampa University of South Florida. Depois de um ano, recebi uma proposta de estágio no escritório de arquitetura da Disney e acabei ficando. Me apaixonei. / F.O.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.