Mediterrâneo: entre ilhas

O Estado de S.Paulo

19 Agosto 2014 | 02h06

Ele banha cerca de 20 países da Europa, África e Ásia. Mare Nostrum dos romanos, Mar Branco do Meio dos árabes, sempre foi palco de intensos intercâmbios culturais e de rotas comerciais estratégicas, viu florescer civilizações e também assistiu a batalhas cruentas. Em meio a terras cobiçadas por tanta gente ao longo da História, o Mar Mediterrâneo acabou sendo conquistado de forma contundente pelos veranistas europeus. A cada temporada, vê o desfile de luxuosos cruzeiros e proporciona a seus visitantes uma invejável infraestrutura de hospedagem e serviços em suas ilhas, pertencentes a oito nações distintas.

Belas paisagens entremeadas por construções de tempos imemoriais e por modernas instalações turísticas formam parte de suas riquezas comuns. Assim como a celebrada dieta mediterrânea, sinônimo de saúde regada ao melhor extravirgem do mundo. E, se nunca foram sinônimo de paraíso, prerrogativa destinada a arquipélagos tropicais, suas praias também proporcionam banhos de mar inesperadamente agradáveis, com a presença abundante na areia de belezas naturais sazonais - o topless faz parte da cultura praiana de muitos balneários mediterrâneos.

Tudo, enfim, o que você precisa para desopilar a cabeça e descansar o corpo. E que veranistas de qualquer nacionalidade procuram e julgam merecer nos dias de ócio.

Nesta e nas próximas páginas você vai encontrar exemplos do que esperar - e de como desfrutar - de alguns dos pedaços insulares mais destacados de França, Itália, Grécia e Espanha, além da surpreendente Malta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.