Meio de transporte é seguro, afirma associação

A imagem de um gigante como o Costa Concordia afundando na Itália, no início deste ano, impressionou muita gente. Em janeiro,

O Estado de S.Paulo

28 Agosto 2012 | 03h10

o navio da Costa Cruzeiros, com 4.200 pessoas a bordo, naufragou depois de se chocar com uma rocha próximo da Ilha de Giglio, causando a morte de

mais de 30 pessoas.

"As estatísticas demonstram que navio é um dos meios de transporte mais seguros que existem no mundo", garante o presidente da Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (Abremar), Ricardo Amaral. De acordo com ele, de qualquer forma, as companhias que vêm para o Brasil nesta temporada estão revisando todos seus procedimentos "para ver se é possível melhorar ainda mais a segurança".

"Quando algo dessa magnitude acontece, as pessoas não vão esquecer, como não esqueceram do Titanic", diz Amaral. Mas o presidente da Abremar não acredita num impacto negativo nas vendas de cruzeiros no Brasil. O naufrágio do Titanic completou 100 anos em 2012 e acabou sendo usado em comparações com o ocorrido com o Costa Concordia. "Mas o que aconteceu na Itália foi um acidente isolado, e o consumidor também vê dessa forma", acredita.

Em relação a um possível impacto nas vendas de cruzeiros no Brasil em decorrência do acidente com o Costa Concordia em janeiro, a Costa Cruzeiros informou que as expectativas de vendas para o mercado brasileiro se mantêm positivas. / N.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.