Marcos Müller/Estadão
Marcos Müller/Estadão

Melhor começar pelo começo

Nosso solerte viajante voltou à Inglaterra para cumprimentar sua amiga, a rainha Elizabeth II, que ficou consternada com o passamento de Margaret Thatcher. Mr. Miles conta-nos que conheceu a Dama de Ferro e até gostava dela, "embora ela gostasse mais de falar do que de ouvir. In fact, minha Thatcher preferida é a querida amiga Meryl Streep". A seguir, a correspondência da semana:

Mr. Miles*, O Estado de S.Paulo

16 Abril 2013 | 02h13

Olá, mr. Miles. Temos, eu e um colega de infância, planos para viajar para a Europa. Porém, reside uma cruel dúvida, já que não gostaríamos de embarcar num destino comum a todos que vão viajar pela primeira vez ao Velho Continente. Gostaria de um conselho ou um roteiro para um passeio culturalmente rico, vindo desse tão sábio e desprendido viajante, que é o senhor! Se possível, responder em tempo, pois fecho o pacote até a segunda semana de abril.

Paulo Sergio, São Paulo

"Well, my friend, não sei se entendi bem sua questão, mas vou me esforçar para decifrá-la. As I understood sua ideia é viajar para a Europa sem passar por um lugar muito visitado por turistas. E, ainda assim, você e seu amigo buscam um roteiro culturalmente rico. Well: let me see… Que tal começar pela Eslováquia, seguir para a Bielo-Rússia, enveredar pela Ucrânia e, após uma breve passagem por Volgogrado, no sul da Rússia, visitar o Monte Elbrus (o mais alto da Europa, com 5.642 metros de altitude? O término de seu roteiro poderia ser a Geórgia, o limite oriental da Europa.

Eis uma viagem diferenciada pela Europa, que poucos turistas fizeram. Sou capaz de apostar, by the way, que, se você e seu amigo seguirem essa rota completa, serão, probably, os primeiros brasileiros a realizá-la.

Se tem atrações culturais? Claro que tem: a Europa tem uma história muito longa e, seja onde for, você terá o que ver. Nesse roteiro específico, I'm sorry to say, é evidente que as referências serão sempre eslavas ou balcânicas. Você ouvirá histórias repletas de Ladislaus, Estanislaus, Boris e outros personagens distantes.

Não está claro em sua pergunta, my friend, se vocês já fizeram outras viagens anteriormente. However, caso vocês estejam indo para a Europa pela primeira vez, eu recomendaria ardorosamente que abandonassem essa ideia de fazer "diferente" e provassem, em seu début, os bons e velhos destinos devidamente preparados para receber viajantes estrangeiros, dotados de cidadãos que falam idiomas mais familiares, atrações que falam mais de perto às suas referências e, ainda assim, repletos de surpresas e pequenos segredos pouco explorados.

Sinto dizer, mas, pelo teor da pergunta, não me parece que vocês já tenham experimentado a entrada e o prato principal - mas apenas que desejam ir diretamente à exótica sobremesa cujos ingredientes vocês não têm ideia do que são.

As desvantagens do roteiro que lhes propus inicialmente - embora elas caibam em sua requisição - serão muitas. Para começar, os idiomas trava-línguas, tão cheios de consoantes quanto escassos em vogais. Em parte do trajeto, até o alfabeto é outro, mas suponhamos que vocês sejam suficientemente descolados para superar essas dificuldades. O tipo de hospedagem e a gastronomia local têm, of course, suas qualidades. Mas será necessário que vocês leiam um compêndio de livros para chegarem devidamente informados em cada um dos países.

Até, I must say, para pegar um táxi ou um trem com um mínimo de chance de alcançar o destino certo. Em suma, dear Paulo, eu que sou um forte defensor de que todos tenham o desejo e o direito de explorar o mundo todo acho que o melhor é começar com prudência. E avançar pouco a pouco, sempre com um sonho na cabeça."

* É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO. ELE ESTEVE EM 183 PAÍSES E 16 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.