Mensagem de fé

A maior parte da existência de Lisieux, a 160 quilômetros de Paris, está organizada na trilha dos passos da católica Santa Terezinha e de sua mensagem de fé. Em 1877, Thérèse Martin, então com 4 anos, foi com a família morar na cidade e ali viveu até sua morte, 20 anos depois. A construção da basílica em sua homenagem começou apenas dois anos após a canonização, em 1927. O que faz deste santuário o mais novo e, por isso, diferente entre todos os que foram visitados nesta rota.

O Estado de S.Paulo

22 Dezembro 2009 | 01h11

 

MOSAICOS - Altar multicolorido da Basílica de Lisieux

 

VEJA TAMBÉM:
História e arte no caminho da fé
Símbolos ocultos
Abadia na pedra
Lourdes em festa
O nascimento de uma santa
Imagem protetora

 

A igreja não tem os até aqui onipresentes vitrais. Também não há rosácea na fachada. O colorido dos ambientes fica por conta de belos mosaicos, alguns tão altos que é impossível não se perguntar como foram feitas as figuras, e passagens bíblicas nas abóbadas, nas colunas, nos arcos, na cripta. Uma obra de arte em construção, com pedaços inteiros de paredes por serem decorados. O mosaico mais novo, doado por comunidades católicas das Filipinas, foi inaugurado há cerca de dois meses.

Os fiéis chegam em levas que somam 700 mil por ano, o que faz de Lisieux o segundo ponto de peregrinação mais procurado da França depois de Lourdes. A basílica tem ótima infraestrutura: no centro de visitantes há até sala de cinema.

A cidade deve a Santa Terezinha o seu ressurgimento. No século 19, era apenas um povoado meio esquecido e, durante a 2ª Guerra, três quartos de sua área urbana foram arrasados pelos bombardeios. Curiosidade: uma bomba chegou a cair no domo da basílica que, apesar disso, ficou intacto.

Basílica de Santa Terezinha: www.therese-de-lisieux.com

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.