Bárbara Santos Ferreira
Bárbara Santos Ferreira

Mercados

De maneira independente ou com agências de turismo, ir da capital do Japão até o simbólico vulcão é uma boa opção para pouco tempo

Bárbara Ferreira Santos, O Estado de S. Paulo

10 Março 2015 | 03h00

Em meio ao caos das barracas da Ameya Yokocho, uma espécie de Rua 25 de Março entre as estações Ueno e Okachimachi, na linha Yamanote de trem, é possível encontrar a calmaria de um templo budista. O Tokudaiji está escondido entre as lojas e acima do nível das casas. Dali é possível ver as tendas, as ruas da região lotadas e o viaduto do metrô passando por cima de tudo. 

O mercado de rua da Ameya Yokocho é conhecido como Ameyoko ou "beco de lojas de doces" pela grande quantidade de quitandas que vendem os doces típicos japoneses a preços mais baixos. Experimente o chocolate Kit Kat sabor chá verde e os biscoitos Koala March, em formato de coala e recheados de chocolate. 

Nas barracas também é possível comprar peixes frescos e frutos do mar. Entre os vendedores há colônias de chineses, coreanos e africanos de diversos países. Os restaurantes por ali oferecem os pratos em esteiras rolantes – você pega seus pratos na esteira e paga pelo número de unidades retiradas. Das torneiras que lembram as de chope em bares convencionais sai água quente para preparar o chá verde que acompanha as refeições. 

Mas o mercado mais famoso da cidade é o de peixes Tsukiji, conhecido pelo leilão de atum que realiza diariamente, nas primeiras horas da manhã. 

De tão procurado, o leilão chegou a ser vetado aos turistas. Além do tumulto, a variação de temperatura ambiente causada pelo fluxo de pessoas era um problema de saneamento para os vendedores. 

Hoje o acesso para pessoas que não estão diretamente envolvidas na compra e venda do atum é limitado por senhas. Desde que o sistema foi instituído, a fila para pegar senha se forma cada vez mais cedo – é difícil conseguir uma vaga mesmo madrugando. Barrados no baile podem se refestelar do lado de fora do mercado, onde há feira, quitandas que vendem pescados e outros frutos do mar, frutas, chás e flores. 

Por ali também é possível assistir à preparação de sashimis variados e conhecer o vegetal wasabi, usado como base para preparar a pasta homônima, em sua forma natural. 

Na Ameyoko ou Ameya Yokocho, as lojas funcionam das 10 às 18 horas; a maioria fecha às quartas-feiras. Chegue pela estação de trem Ueno, na linha Yamanote. O mercado de peixes Tsukiji fica junto da estação de mesmo nome, na linha Hibya: tsukiji-market.or.jp/tukiji_e.htm

Mais conteúdo sobre:
Japão Ásia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.