Misturas destiladas

A bebida nacional da Dinamarca é uma transmorfa astuta. Ela transita sob muitos nomes - snaps, aquavit (aguardente), braendevin (vinho ardente) - e é cheia de disfarces. Feita de batatas ou grãos destilados, a bebida forte (cerca de 40% de álcool) costuma receber a infusão de ervas, sementes e bagas, sozinhas ou em muitas combinações, resultando numa variedade quase interminável de sabores. Anis, endro e cominho são clássicos.

O Estado de S.Paulo

22 Novembro 2011 | 03h07

Há de marcas veneráveis como Aalborg Akvavit (aalborgakvavit.dk) a operações butique mais novas como Braunstein (braunstein.dk). Prove em bares e restaurantes que fazem seus próprios blends. Foi o que fiz no Restaurant Told & Snaps (toldogsnaps.dk), em Copenhague. Uma vodca com sea blackthorn (bagas de um arbusto de uso medicinal e cosmético) foi a primeira: transparente, leve, doce e floral. Após doses de uma misturada com faia - adstringente, cremosa, calorosa - me sentia bem. (Não é de estranhar. Segundo o menu, aguardentes de faia são "deliberadamente rejuvenescedoras").

Por último, uma mistura de semente de anis, casca de canela, cardamomo verde, folhas de lima e pimenta preta. "Consumido com moderação pode ser extremamente revigorante", adverte o menu. /SETH SHERWOOD

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.