Montanha abaixo, com vista para a lagoa

Imagine quantas fotos um gringo que nunca viu o mar tiraria se ficasse hospedado na Praia de Ipanema. Você pode até já ter cansado de ver neve, ser esquiador ou snowboarder experiente, mas arrisco afirmar que não faria diferente em Portillo. Substitua o mar pela inigualável Laguna del Inca e o Morro Dois Irmãos pelos Tres Hermanos, com seus picos de mais de 4 mil metros de altitude. Pronto, eis o incansável cenário de Portillo.

PORTILLO , O Estado de S.Paulo

16 Julho 2013 | 02h12

Agora, acrescente um hotel elegante da década de 1940, confortável mas sem pompa, cuja maior parte das cortinas abre diretamente para esta paisagem. Some um serviço atencioso, sem exageros. Por fim, salpique os arredores com neve fresca, 34 pistas de esqui e 14 meios de elevação. Voilà, você começará a ter uma ideia do que é Portillo. Apenas uma vaga ideia, porque para entender mesmo do que se trata, só ao vivo.

Nos salões dos dois restaurantes do prédio principal, prevalece a aura dos anos 1940, com móveis originais. Nesta temporada, o clima é de festa: o chef Rafael Figueroa completa 25 anos de casa. E de 10 a 17 de agosto, durante a Semana Gastronômica, ele fará um menu especial.

Não perca a chance de subir de teleférico a 3.300 metros para almoçar no restaurante Tio Bob's, batizado em homenagem ao pioneiro do hotel. Em um ambiente rústico com paredes de pedra, teto baixo e piso de madeira, desfrute do calor da lareira para apreciar uma boa sopa, seguida de batata assada com seu grelhado preferido. Em dias ensolarados, fique do lado de fora, apreciando a Laguna del Inca tal como um licor refinado. Para descer, duas opções. O modo conservador, de teleférico, e o natural para uma estação de esqui: deslizando montanha abaixo.

Famílias inteiras amenizam o vento gelado que bate no rosto pista abaixo mergulhando numa das piscinas e jacuzzis ao ar livre, sempre de frente para o lago. Temperadas com água na casa dos 35 graus, proporcionam um contraste com o ar, não raro com temperaturas próximas de zero. Bom para relaxar, ainda mais após uma aula de ioga ou de alongamento, que fazem toda a diferença depois de tanto esquiar.

Na pista. Esqui ou snowboard, tanto faz. Não faltam pistas lisinhas - e, para os experts, caminhos extremamente radicais. Da janela do hotel, a curva da Plateau assusta e parece vertical, mas é de nível intermediário. Pistas divertidas como Bajada del Tren, que passa por dentro de um antigo túnel, e Las Lomas, são ótimos treinos antes de ousar mais. Os aprendizes se encontram em El Corralito e La Princesa, amplas e com suave inclinação.

Sede dos jogos mundiais de esqui de 1966, Portillo recebe muitos visitantes europeus e americanos. Muito por conta disso, boa parte dos instrutores alternam seus invernos aqui e no Hemisfério Norte - Seth, meu ótimo professor de snowboard importado do Estado de Idaho, é uma prova disso.

Acompanhados por seus quatro filhos, o casal argentino Hugo e Maria Scotiglioni se aplicava em duas aulas diárias com o instrutor americano. "Estamos adorando. As crianças têm se dado muito bem com a prancha de snowboard", disse Hugo.

Assim como as aulas para pais e filhos, durante os sábados deste mês o hotel de Portillo investe pesado na Family Week, com novas atividades para unir pequenos e grandes na neve. Outra novidade, o cinema 3D exibirá desenhos animados e produções campeãs de bilheteria. Com toda essa programação voltada para a família, devem ganhar destaque os cinco novos chalés que abrigam de quatro a oito pessoas, a alguns passos (na neve, claro) do hotel. / FELIPE MORTARA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.