Montmartre e Marais sob nova perspectiva

Montmartre e Marais sob nova perspectiva

ADRIANA MOREIRA, COLABOROU FÁBIO VENDRAME, O Estado de S.Paulo

16 Setembro 2014 | 02h05

Lua de mel e Paris, tudo a ver, que maravilha. Mas como sair bem nas fotos se os pontos turísticos costumam estar sempre abarrotados de gente? Stefanny Campagnaro e Lorenzo Fontes Esposito encontraram a solução: graças à dica de uma turista americana, contrataram o serviço da Localers, agência com pouco mais de um ano que propõe serviços personalizados na capital francesa. "O passeio teve a duração de três horas e foi simplesmente fantástico, assim como o resultado das fotografias", relembra ela. "O fotógrafo conseguiu captar imagens deslumbrantes."

A Localers (localers.com/br)surgiu quando o francês Romain Raffard se deu conta de que não havia em Paris uma empresa que mostrasse a cidade como os moradores a vivem. E o slogan, "Paris como um parisiense", convenhamos, não poderia ser outro. Os passeios têm preço fixo (desde 39) e número limitado de turistas.

A filosofia segue a linha dos já tradicionais walking tours, mas com uma diferença essencial, segundo a empresa: guias escolhidos a dedo para mostrar aos viajantes não apenas os pontos turísticos, mas como é morar em Paris.

O objetivo é fugir do óbvio sem descartar os pontos obrigatórios da cidade. E o melhor: sem ficar perdido na tradução. Afinal, boa parte dos tours pode ser feita com guias brasileiros, como a mineira Camila, que me ciceroneou pelas ruas do Marais, um dos bairros mais icônicos de Paris, ao longo de 3 horas.

Especializada em história da arte, Camila viveu no Marais e conhece atalhos que levam a pequenos pátios internos dentro de condomínios, lojas descoladas, dados históricos. Com ela descobri a simpática igreja de St. Gervais e St. Protais, do século 15, ignorada pelos turistas apesar de ficar atrás do Hôtel de Ville (a prefeitura). Entramos de um lado (Place St. Gervais) e saímos de outro, na pequenina Rue de Barres, que parece alheia às multidões que circulam a poucos metros dali.

Passamos pelo Village St. Paul (levillagesaintpaul.com), antigo convento transformado em espaço de artes, onde há galerias, cafés e até um mercado de pulgas - fique atento à programação.

Camila conta que adora se embrenhar pelas ruas deste bairro histórico e descobrir coisas novas. Área nobre no século 17, caiu em decadência durante a Revolução Francesa e permaneceu praticamente intocada durante a reconstrução da cidade no século 19, quando as ruas estreitas do centro deram lugar a avenidas amplas e largas, para deixar a região mais arejada e iluminada.

Hoje, apesar de turístico, o Marais segue frequentado por parisienses. Muitos judeus moram ali, o que se reflete no comércio - e nos feriados respeitados ali. Faça uma pausa na Rue des Roseirs, conhecida pelas casas de falafel. O servido no L'As du Fallafel é o mais famoso - há mesas, mas muita gente prefere a praticidade de pedir do lado de fora e comer em pé mesmo. O recheio é fartíssimo e o sabor, perfeito - preços desde 5,50.

Terminamos o tour observando Paris do alto, a partir do Centro Gerorges Pompidou, e sem pagar nada. Pouca gente sabe, mas é possível subir gratuitamente pelas escadas rolantes até o alto do edifício e, de lá, fotografar a cidade de um ângulo diferente.

Baratinho. Sem a companhia de Camila, mas com um grupo de aproximadamente 20 turistas, desbravei com o Discover Walks (discoverwalks.com) outro bairro parisiense: o Montmartre. Com um colete rosa, característico da empresa, o guia Olek aguardava o grupo na saída do metrô Blanche. De lá já se vê o moinho do Moulain Rouge, abarrotado de turistas à noite mas que, naquele horário matinal, apenas posavam para as fotos.

Seguimos serpenteando pelas labirínticas ruas do bairro, repleto de locações de O Fabuloso Destino de Amélie Poulain (2001). Olek apontou o Café des Deux Moulins, onde trabalhava a protagonista - voltei ali mais tarde, mas desisti do café depois de 20 minutos sentada na mesa, sem ser atendida.

Divertido e atencioso, Olek chamava a atenção aos detalhes. O apartamento onde viveu Picasso, os diferentes tipos de arte de rua, como os Space Invaders, espalhados por toda Paris. Paramos na curiosa escultura Le Passe-Muraille, criada por Jean Marais para homenagear o escritor francês Marcel Aymé, que mostra um homem atravessando a parede. Ainda houve tempo para falar do vinhedo de Montmartre, das fontes de água potável parisiense, e, claro, da principal estrela do bairro: a Basílica de Sacré-Coeur.

O tour é realizado diariamente, entre maio e outubro, e não tem preço fixo: ao final, você dá ao guia uma gorjeta que cabe no seu orçamento. Não há glamour, mas diversão e informação não faltam.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.