Moscou troca deslumbre pelo refinamento

Depois da repressão soviética e da posterior exaltação do capitalismo, moradores vivem momento especial. Veja onde (e como) aproveitar o melhor da cidade

O Estado de S.Paulo

19 Outubro 2010 | 01h34

Com a abertura econômica, a partir de 1985, os moradores de Moscou passaram a compensar os anos de opressão soviética se entregando aos frutos do capitalismo. Só agora, com a desaceleração global, a onda new rich ganha contornos mais brandos. Ainda há calças de couro apertadas e estampas de oncinha. Mas quem tem gosto refinado já encontra sentido mais sutil para a palavra chique.

Memória

Nostálgicos da economia da velha União Soviética podem visitar o All-Russia Exhibition Center (vvcentre.ru). Construído como um monumento ao socialismo, o parque mostra o tamanho descomunal da antiga URSS.

Arte

Um dos poucos museus de arte moderna na Rússia, o Garage (garageccc.com) fica em uma antiga garagem de ônibus. Embora seja moda entre bilionários locais, o preço do ingresso é quase proletário: 300 rublos (R$ 16). No café, saladas e sopas custam de 150 a 300 rublos (R$ 8 a R$ 16).

Gastronomia

Apesar das hostilidades entre Rússia e Geórgia, moscovitas adoram a gastronomia dos rivais. No cardápio, embutidos, carnes grelhadas e sopas picantes. Prove tortas de queijo no Khachapuri (hacha.ru).

Balada

A vida noturna de Moscou só fica interessante muito depois da meia-noite. Escolha o Art Strelka (strelkainstitute.com), onde DJ''s tocam até o sol nascer. Mais glamour? Termine a noite no badalado Rai (raiclub.ru), do outro lado. / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.